Os três maiores bancos privados do Brasil, – Bradesco, Itaú Unibanco e Santander – divulgaram um plano integrado com o objetivo de contribuir para o desenvolvimento sustentável da Amazônia.

São 10 medidas, construídas a partir de três frentes de atuação identificadas como prioritárias para a região: conservação ambiental e desenvolvimento da bioeconomia; investimento em infraestrutura sustentável; e garantia dos direitos básicos da população da região amazônica.

Entre as ações que farão parte desse plano, estão:

  • Estimulo às cadeias sustentáveis na região (ex: cacau, açaí e castanha) por meio de linhas de financiamento diferenciadas e/ou ferramentas financeiras e não financeiras;
  • Viabilização de investimentos em infraestrutura básica para o desenvolvimento social (ex: energia, internet, moradia e saneamento) e ambiental (ex: transporte hidroviário);
  • Fomento de um mercado de ativos e instrumentos financeiros de lastro verde;
  • Atração de investimentos e promoção de parceiras para o desenvolvimento de tecnologias que impulsionem a bioeconomia;
  • Apoio para atores e lideranças locais que trabalhem em projetos de desenvolvimento socioeconômico na região;

O plano foi apresentado ao governo federal no dia 22 de julho e os três bancos trabalharão em conjunto no detalhamento das iniciativas e no estabelecimento de metas.

Proteção à floresta

Para que as ações sejam efetivas, é fundamental que ocorra uma intensificação das medidas de proteção da floresta Amazônica. Por isso, a atuação dos bancos será coordenada com o governo, e as ações serão implementadas em alinhamento com as iniciativas públicas, potencializando, assim, o impacto das ações para o desenvolvimento social e econômico da região.

“Todos precisam assumir sua parcela de compromisso com as futuras gerações”, afirma o presidente do Bradesco, Octavio de Lazari Junior.

Um conselho de especialistas com diferentes experiências e conhecimentos sobre as questões sociais e ambientais envolvendo a Amazônia vai ser formado pelos bancos. Este grupo de trabalho será responsável por auxiliar na criação de métricas e objetivos alinhados aos desafios locais e nos desdobramentos dos planos, cujas ações estão previstas para começar ainda em 2020.