O hotel Sofitel Bogotá Victoria Regia, na capital e maior cidade da Colômbia, virou um exemplo na América do Sul, sobretudo para o setor de luxo. Após uma série de ações, o estabelecimento conseguiu se livrar da necessidade de plásticos descartáveis -, algo realmente impactante.  

De todas as áreas que tiveram que se adequar, os alimentos e bebidas estão no topo da lista. Foi preciso encontrar soluções para substituir canudinhos e embalagens para viagem. Para o primeiro caso, os canudos de papel foram adotados e, no segundo, recipientes ​​à base de amido de milho. O material biodegradável compõe os novos talheres, copos e caixinhas para transportar alimentos. 

“A principal característica deste material é que ele vem da natureza e retorna para ela. Além disso, é um material resistente a baixas e altas temperaturas, tem uma aparência agradável e mantém aromas e sabores”, explica David Kianni, gerente geral do hotel.

Já os misturadores de plástico, usados geralmente no café e em drinks, foram substituídos por bambu. Além disso, assim como ocorre com o canudo, ele só é entregue se o cliente pedir -, quantas vezes você já aceitou um simples canudo por hábito? Parece pouco, mas o simple ato dos restaurantes e bares pararem de oferecer tais itens já pode reduzir o uso.

O serviço de lavanderia e kits de higiene também ganharam inovações. Os protetores de roupas não são mais de plástico, mas sim de pano, o que permite que eles sejam reutilizados. Já os itens de higiene, como kit dentário ou toucas de banho, são embalados em papel kraft, revestidos com ácido polilático, que é um polímero biodegradável. E os chinelos são acomodados em sacos de pano. 

Água 

A água agora é vendida só em garrafas de vidro ou, ainda melhor, os hóspedes têm água filtrada à disposição. Na academia, as garrafas de água deram lugar a um dispensador e copos à base de amido de milho. “Como parte do nosso compromisso com a sustentabilidade, a água que não é consumida nas garrafas é coletada diariamente. Ao invés de ser descartada, ela é usada para regar plantas e flores do hotel. Isso, por sua vez, também reduz o desperdício”, diz Kianni.

Como a água é um recurso valioso, também foram instalados redutores de consumo em todas as torneiras. Só nesta ação, o hotel reduziu de 200 litros para 100 litros o consumo de água por pessoa.

Alimentos frescos

O hotel Sofitel Bogotá desenvolve ainda ações em paralelo que visam atingir seus objetivos sustentáveis. De acordo com Kianni foram criadas as “Fresh Farm Fridays” para apoiar os agricultores nacionais e promover o consumo inteligente. Essa iniciativa consiste em oferecer, toda sexta-feira, um cardápio com produtos frescos comprados no mercado local.

Ao mesmo tempo, o hotel tem o “Jardim de Ervas e Vegetais do Chef”, uma horta orgânica localizada no terraço do segundo andar, próxima da cozinha, onde produtos frescos são usados ​​para preparar alimentos com o intuito de promover a saudabilidade em pratos e ingredientes que vão diretamente do campo para a mesa do cliente.

O hotel também obteve resultados positivos na redução do desperdício de alimentos. A casca de laranja, por exemplo, é usada para fazer compotas e pão (não servidos no café da manhã) na preparação do pudim de pão. 

Por fim, há ainda o reaproveitamento de sabonetes e xampus. A Fundação Soap For Hope, que ensina como desinfetar e criar novos produtos a partir da sobra desses itens, ajuda o hotel a doar esse material para instituições de caridade, ao invés de jogá-lo fora.

Este hotel integra o grupo de hotéis Accor.

Leia também:

AccorHotels desincentiva uso de canudos em toda América do Sul

AccorHotels lança hotel modular feito de contêineres reaproveitados