Por Kym Souza | Casa.com.br

Foto: Reprodução | Archinect

Empresa sediada na Índia, a Rhino Machines, lançou o Bloco de Plástico de Sílica — um tijolo de construção sustentável feito a partir da reciclagem de resíduos de areia/poeira de fundição (80%) e resíduos plásticos mistos (20%).

O Bloco de Plástico de Sílica ou SPB (sigla em inglês) tenta enfrentar o enorme desperdício de poeira e a produção geral de poluição na Índia, o que gera um grave risco ambiental. O projeto foi concluído em colaboração com a ala de pesquisa do escritório de arquitetura R + D Studio.

O projeto começou um mandato de zero desperdício de uma das usinas de fundição da Rhino Machines. Nos estágios iniciais, os experimentos foram conduzidos usando poeira de fundição em tijolos de cinzas volantes ligadas por cimento (7-10% de resíduos reciclados) e tijolos de argila (15% de resíduos reciclados). Essa experimentação também exigiu o uso de materiais naturais, como cimento, solo fértil e água.

Foto: Reprodução | Archinect

Mas a quantidade de recursos naturais consumidos no processo não foi suficiente para valer os resíduos que foi capaz de reciclar. Esses teste levaram a mais pesquisas do departamento interno, que resultou na hipótese de unir o pó de areia/fundição com plástico. Usando o plástico como um agente de ligação, a necessidade de água durante a mistura foi completamente eliminada. Os blocos podem ser usados ​​diretamente após o resfriamento do processo de moldagem.

Foto: Reprodução | Archinect

Os SPBs apresentaram 2,5 vezes a força dos tijolos de barro vermelho normais, enquanto, para serem consumidos, precisam de cerca de 70 a 80% da poeira da fundição com 80% menos uso de recursos naturais. Com mais testes e desenvolvimento, novos moldes foram preparados para testá-los como blocos de pavimentação e os resultados foram bem-sucedidos.

Durante o período de quatro meses, várias indústrias, como hospitais, organizações sociais e empresas municipais locais foram abordadas para fornecer plástico limpo. No total, seis toneladas de resíduos plásticos e dezesseis toneladas de poeira e areia da indústria de fundição foram coletadas, prontas para serem recicladas.

Como o SPB é feito de resíduos, o custo de produção pode competir facilmente com o tijolo de barro vermelho comumente disponível ou com a CMU (unidade de alvenaria de concreto).

A Rhino Machines agora está se preparando para apresentar uma solução ecossistêmica para que as fundições de todo o país possam desenvolver e distribuir os SPBs dentro de suas zonas de impacto por meio da RSE (responsabilidade social corporativa – uma iniciativa do governo da Índia para que as empresas adotem causas filantrópicas e devolvam para a comunidade).

Os SPBs poderiam ser usados ​​para construir paredes, banheiros,
campus escolares, clínicas de saúde, pavimentação, vias de circulação, etc.
Foto: Reprodução | Archinect