Projeto recolhe tampinhas de garrafa nas praias cariocas

Os quiosques das praias de Copacabana, Ipanema e Leblon, na zona sul da capital fluminense, vão ganhar 30 postos de coleta de tampas de garrafas de vidro. O projeto da organização não governamental (ONG) Onda Carioca tem o objetivo de recolher as tampas de metal do ambiente e conscientizar a população para a sua reciclagem.

A ONG informou que o projeto será lançado no dia 26 e terá apoio da concessionária Orla Rio, que administra os quiosques do Leme à Prainha e os postos de salvamento do Flamengo ao Pontal. Segundo o fundador e presidente da organização, Júlio César Gomes, o projeto vai até o dia 26 de abril e a finalidade é recolher nesse período 50 mil tampinhas.

“A tampinha de metal é a única que não tem reciclagem, em comparação com as de plástico, entre outras. Então resolvi criar as ecotampas, que as transforma em broches e imãs personalizados. Há dois anos que faço esse trabalho. A meta nesse período é reciclar 50 mil tampinhas e expandir o projeto para todas as praias”, disse o fundador da ONG.

De acordo com Gomes, o trabalho com a reciclagem de tampas permitiu que, no ano de passado, a prefeitura do Rio encomendasse quatro mil broches para as Olimpíadas de 2016, apresentado em Londres, e outros quatro mil para a Rio+20.  Segundo ele, a ONG recolherá nos postos as tampinhas e depois transformará em broches e em imãs de geladeira com temas diversos da paisagem do Rio de Janeiro. Os souvenirs serão vendidos nas barracas credenciadas pela concessionária Orla Rio, pelo valor de R$ 4.

A ONG também vai oferecer cursos gratuitos de artesanato com tampinha para moradores da comunidade do Terreirão, no Recreio dos Bandeirantes, na zona oeste do Rio. O encontro, no próximo dia 26, está marcado para Ipanema, próximo ao Coqueirão, às 16h. O evento terá ações ambientais, oficinas, ação de entretenimento e corridas de tampinhas em formato de uma pista de Fórmula 1.

Em soma a estas ações no Rio, o movimento Rio Eu Amo, Eu Cuido reuniu no último fim de semana cerca de 200 pessoas para a remoção das pichações na pedra do Pontal do Recreio e no Costão da Praia da Macumba, ambas na zona oeste. Para a integrante do movimento, Ana Lycia Gayoso, o balanço de cuidado com a cidade é positivo e o projeto vem promovendo ações em todas as camadas.

“Os mutirões não têm a proposta de substituir o trabalho da Comlurb [Companhia Municipal de Limpeza Urbana], mas de conscientizar que guimbas de cigarro tem um destino certo e todo lixo deve ser descartado de forma adequada. Com esta finalidade, distribuímos kits com bituqueiras descartáveis. As próximas ações serão durante o Carnaval, com distribuição de bituqueiras e ações para conscientizar a população de não fazer xixi nas ruas”, afirmou.

Da Agência Brasil