Estudante brasileira cria bioplástico ecológico feito de buriti
Foto: Reprodução Biopósito | Youtube
- Publicidade -

Uma jovem estudante de apenas 17 anos desenvolveu um novo tipo de bioplástico biodegradável a partir do buriti, uma espécie de palmeira originária da Amazônia. Enquanto cursava o terceiro ano do ensino médio, Ana Beatriz de Castro Silva criou três materiais usando diferentes partes do buriti, como a casca, a entrecasca e a polpa do fruto. Cada biopolímero obteve uma resistência, transparência e flexibilidade diferentes.

O buriti (Mauritia flexuosa) é uma espécie de palmeira originária da Amazônia encontrada em diversas partes do Brasil, particularmente no Cerrado. Seu fruto é rico em vitaminas, cálcio, ferro e proteínas. O óleo extraído do fruto é rico em caroteno e tem valor medicinal. Também é utilizado para amaciar, colorir e aromatizar diversos produtos de higiene e beleza. Suas folhas servem para confeccionar artigos como esteiras, tapetes e chapéus.

Segundo a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), cada palmeira do buriti chega a produzir de cinco a sete cachos por ano e, em cada cacho, nascem de 400 a 500 frutos. A colheita do buriti garante renda para muitas famílias brasileiras.

- Publicidade -
Buriti
Buriti (Mauritia flexuosa) | Foto: Biocompósito/Youtube

Polímeros ecológicos

Com a casca do fruto (epicarpo), Ana Beatriz conseguiu produzir um plástico resistente, propício para aplicação em revestimentos de pisos e paredes. A entrecasca (mesocarpo) deu origem a uma textura especial e transparente, parecida com a do acrílico. Já a polpa do fruto (endocarpo) foi ideal para desenvolver um biofilme: película flexível que pode ser usada na produção de sacolas compostáveis, por exemplo.

biopolímero compostável buriti
Amostras de bioplásticos criados pela estudante | Foto: Biocompósito/Youtube

Depois de produzir os biopolímeros, a estudante fez a caracterização biotecnológica. Ela testou a opacidade, a resistência química, as propriedades mecânicas e a capacidade de degradação em solo. 

Os resultados mostram que a produção do bioplástico a partir do buriti é bastante viável. Sua tecnologia pode ser tanto usada para o desenvolvimento socioambiental como para a criação de alternativas ao plástico para a indústria.

bioplástico ecológico de buriti
Amostra de bioplástico criado por Ana Beatriz | Foto: Biocompósito/Youtube

Biodegradável

Ana Beatriz também testou o período de decomposição do material, que se degradou em apenas 15 dias na água e em até 20 dias no solo. Segundo a estudante, o material ainda ajuda na adubação de plantas, servindo como um fertilizante natural.

Ana Beatriz de Castro Silva, criadora da pesquisa segurando buriti
A estudante Ana Beatriz de Castro Silva coletando buritis | Foto: Biocompósito

Pesquisa não para por aí

A estudante pretende dar continuidade à pesquisa, desenvolvendo uma pele artificial com a mesma matéria-prima. “Não quero parar, quero que realmente essa pesquisa se transforme em produtos que beneficiem a sociedade”, diz.

Neste vídeo, a jovem estudante explica todos os detalhes da pesquisa.

O projeto de Ana Beatriz foi realizado enquanto ela estudava no Centro Educacional Arteceb, na cidade de Imperatriz (MA). O seu projeto é um dos destaques da 20ª edição da Feira Brasileira de Ciências e Engenharia (FEBRACE), que acontece até o dia 26 de março pela Plataforma FEBRACE Virtual.

LEIA TAMBÉM

- Publicidade -