A Última Floresta filme
Foto: Pedro J Márquez

A Última Floresta”, longa-metragem dirigido por Luiz Bolognesi e escrito em parceria com Davi Kopenawa Yanomami, terá debate nesta segunda-feira, 19 de abril, às 19h30 no YouTube do Instituto Socioambiental (ISA), no Twitter do @GreenpeaceBR e no Facebook da Gullane

O diretor Luiz Bolognesi participa do bate-papo com três lideranças indígenas: o xamã e escritor Davi Kopenawa Yanomami, autor do livro “A queda do céu: Palavras de um xamã yanomami”, a coordenadora executiva da APIB e cofundadora da ANMIGA, mestra em Cultura e Sociedade, Sonia Guajajara, e o ambientalista, filósofo, poeta e escritor Ailton Krenak, autor de “Ideias para Adiar o Fim do Mundo”, um dos livros mais vendidos da FLIP 2019. 

A Última Floresta Filme
A mediação será feita pela antropóloga Lídia Montanha Castro,  consultora do Instituto Socioambiental (ISA). Foto: Divulgação

A Última Floresta

O longa-metragem estreou no Brasil neste domingo, 18 de abril, no 26º É Tudo Verdade – Festival Internacional de Documentários. O filme retrata o cotidiano de um grupo Yanomami isolado, que vive em um território ao norte do Brasil e ao sul da Venezuela há mais de mil anos.

O xamã Davi Kopenawa Yanomami busca proteger as tradições de sua comunidade e contá-las para o homem branco que, segundo ele, nunca os viu, nem os ouviu. Enquanto Kopenawa tenta manter vivos os espíritos da floresta, ele e os demais indígenas lutam para que a lei seja cumprida e os invasores do garimpo retirados do território legalmente demarcado. Mais de 10 mil garimpeiros ilegais, que invadiram o local em 2020, derrubam a floresta, envenenam os rios e espalham Covid e outras doenças entre os indígenas.  

O longa teve sua estreia mundial no Festival Internacional de Cinema de Berlim, sendo o único filme brasileiro presente na mostra Panorama. Em 2018, o premiado “Ex-Pajé” esteve na mesma seleção do evento. “A Última Floresta” também foi selecionado para os festivais Visions du Réel, em Nyon, na Suíça, e para o Hot Docs, em Toronto, no Canadá. 

Para assistir ao filme é necessário se cadastrar gratuitamente na plataforma Looke. Há limite de 2 mil visualizações.

O filme é produzido pela Gullane e Buriti Filmes em associação com a Hutukara Associação Yanomami e o Instituto Socioambiental (ISA). A estreia no Brasil está prevista para o segundo semestre de 2021, com distribuição da Gullane.