- Publicidade -

11ª Mostra Ecofalante de Cinema começa nesta quarta-feira (27/07)

Principal evento sul-americano dedicado à temática socioambiental traz 106 filmes gratuitos de forma online e presencial

Mostra Ecofalante
Criança Mundukuru, que participa do filme, Mensageiras da Amazônia, uma das 106 obras desta edição. Foto: Divulgação

A 11ª edição da Mostra Ecofalante de Cinema acontece entre os dias 27 de julho a 17 de agosto, em salas paulistanas e de forma online, apresentando um total de 106 filmes. O cardápio de obras está recheado: uma homenagem ao diretor e ator Jacques Perrin, retrospectiva dedicada à cineasta Sarah Maldoror, celebração dos 40 anos do filmeKoyaanisqatsi”, competição latino-americana com 35 títulos, um amplo panorama internacional recente, o concurso de curtas-metragens brasileiros assinados por estudantes, sessões especiais, debates, masterclass e entrevistas exclusivas.

- Publicidade -

Considerado como o mais importante evento audiovisual sul-americano dedicado às temáticas socioambientais, o festival é totalmente gratuito e sua programação se espalha por diferentes espaços: Reserva Cultural, Circuito Spcine (Biblioteca Roberto Santos, CCSP, CEU Perus e CFC Cidade Tiradentes) e Cinemateca Brasileira, além de Casas de Cultura, Oficinas Culturais, Centros Culturais e Fábricas de Cultura.

As atividades virtuais podem ser acessadas no site www.ecofalante.org.br.

Mostra Ecofalante
Longa inédito “Animal”, do diretor e escritor francês Cyril Dion abre a 11ª Mostra Ecofalante de Cinema. Foto: Divulgação

Em 2022 o programa Panorama Internacional Contemporâneo está organizado a partir dos eixos Ativismo, Biodiversidade, Economia, Emergência Climática, Povos & Lugares e Trabalho, além de sessões especiais. Estão incluídos os indicados ao Oscar “Ascensão” e “Escrevendo com Fogo” (este também premiado em Sundance), além de filmes premiados nos festivais de Locarno (“Mil Incêndios”) e HotDocs (“Escola da Esperança” e “Ostrov – A Ilha Perdida”).

O Panorama promove ainda a exibição especial de três produções: a aclamada série “Uprising”, de Steve McQueen e James Rogan, e os elogiados longas-metragens “Geração Z”, de Liz Smith, e “Searchers: O Amor Está nas Redes”, de Pacho Velez

- Publicidade -

A Homenagem a Jacques Perrin (1941-2022) exibe quatro de seus sucessos, um como produtor (“Microcosmos”) e três como codiretor: “As Estações”, “Oceanos” e “Migração Alada”, este último indicado ao Oscar.

Mostra Ecofalante
Filme de Jacques Perrin, “Migração Alada” foi indicado ao Oscar. Foto: Divulgação

A Retrospectiva Sarah Maldoror (1929-2020) se dá no marco dos 50 anos de “Sambizanga” (1972), obra-prima vencedora de dois prêmios no Festival de Berlim. O filme, sobre o movimento de libertação angolano, é o primeiro longa-metragem filmado na África por uma mulher negra. O evento organizou uma programação em torno da cineasta reunindo alguns de seus títulos mais icônicos, que tratam, sob diversos aspectos, de questões referentes à história e cultura africanas ou de povos com fortes raízes naquele continente.

Clássico contemporâneo e marco do cinema socioambiental, o longa “Koyaanisqatsi”, de Godfrey Reggio, é celebrado pelo evento, por ocasião dos 40 anos de sua realização.

- Publicidade -
Mostra Ecofalante
Longa Koyaanisqatsi foi lançado há 40 anos. Foto: Divulgação

Uma sessão especial é dedicada a “Adeus, Capitão”, o mais recente longa do cineasta Vincent Carelli. Com registros colhidos ao longo de várias décadas, é o fecho da trilogia iniciada com o premiado “Corumbiara”.

Na Competição Latino-Americana participam o argentino “Esqui”, prêmio da crítica na seção Fórum do Festival de Berlim, e “A Montanha Lembra” (Argentina/México), ganhador da competição internacional de curtas do É Tudo Verdade. Competem ainda obras premiadas no Festival de Cannes (“Céu de Agosto”, de Jasmin Tenucci), no Bafici-Buenos Aires (“A Opção Zero”, uma coprodução Cuba/Colômbia) e no Festival de Brasília do Cinema Brasileiro (“Rolê – Histórias dos Rolezinhos”, de Vladimir Seixas, “Lavra”, de Lucas Bambozzi, e “Ocupagem”, de Joel Pizzini).

Outra competição, o Concurso Curta Ecofalante, reúne curtas-metragens cujos temas dialogam com os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da ONU e são assinados por alunos de instituições de ensino brasileiras. Participam produções de São Paulo, Minas Gerais, Pernambuco, Rio de Janeiro, Bahia, Santa Catarina, Rio Grande do Norte e Rio Grande do Sul.

Mostra Ecofalante
Cena do curta “Meu Arado, Feminino”. Foto: Divulgação

A programação da 11ª Mostra Ecofalante de Cinema apresenta ainda um ciclo de debates e uma masterclass, além de uma série de entrevistas exclusivas com realizadores dos filmes, conduzidas pela documentarista e jornalista Flávia Guerra e, na série Ecofalante/WWF-Brasil, pelas jornalistas Marcela Fonseca e Gabriela Yamaguchi.

O evento promove parte de sua programação em cidades do interior paulista, Minas Gerais e Rio Grande do Sul, conforme o seguinte calendário:

  • Piracicaba (SP) – de 2 a 20 de agosto
  • Lorena (SP) – de 16 a 26 agosto
  • Belo Horizonte – de 10 a 31 de agosto
  • Porto Alegre – de 25 de agosto a 7 de setembro.

Todas as informações sobre exibições e demais atividades do evento poderão ser encontradas na Plataforma Ecofalante e pelas nas redes sociais:

mostra ecofalante
Imagem: Reprodução | Mostra Ecofalante

A Mostra Ecofalante de Cinema é viabilizada por meio da Lei de Incentivo à Cultura. Tem a apresentação da Valgroup, patrocínio do Governo do Estado de São Paulo, do Mercado Livre e da Spcine, empresa pública de fomento ao audiovisual vinculada à Secretaria Municipal de Cultura de São Paulo, e apoio da White Martins, IHS Brasil e Comerc Energia. É uma produção da Doc & Outras Coisas e coprodução da Química Cultural. A realização é da Ecofalante, da Secretaria Especial de Cultura e do Ministério do Turismo.