Com a pandemia do novo coronavírus, as máscaras se tornaram item essencial e importante de proteção, porém elas podem ser associadas a sentimentos negativos, como tristeza e medo.

A partir desta observação, o produtor Conrado da Luz e o publicitário Gabriel Almeida tiveram a ideia de convidar artistas visuais de diferentes linguagens para estampar sorrisos em máscaras de tecido, e assim passar uma mensagem positiva, de alegria e esperança.

Foto: Divulgação

Este é o conceito do movimento “Contagiando Sorrisos”, que conscientiza para o uso de máscaras com desenhos criados por artistas plásticos, quadrinistas, cartunistas, ilustradores, grafiteiros, entre outros.

A distribuição das máscaras é gratuita e realizada em ações pontuais, direcionadas a trabalhadores de serviços essenciais e pessoas em estado de fragilidade social.

Depois de serem distribuídas em São Paulo, as máscaras vão ser entregues para os profissionais da reciclagem em Recife em parceria com o movimento Pimp My Carroça que atua desde 2012 para tirar os catadores de materiais recicláveis da invisibilidade – e aumentar sua renda – por meio da arte, sensibilização, tecnologia e participação coletiva.

Contagiando Sorrisos

O Contagiando Sorrisos é um projeto filantrópico, que visa destinar 100% dos recursos arrecadados por meio de empresas apoiadoras, como a Klabin, à produção e doações do maior número possível de máscaras com sorrisos.

“Nesse atual momento, a gente ficou pensando em como desenvolver uma ação para ajudar o mundo nesse problema da pandemia, mas sem pensar em vender para uma determinada marca, mas sim fazer algo diferenciado”, comenta Conrado da Luz.

Além dos artistas, estão trabalhando voluntariamente nesta iniciativa as agências Remix Promo Criativa, Hubox Marketing Digital e Lide Multimídia – Assessoria de Comunicação, da consultoria Estesia Business Inovation e da Lacini – Coletivo Audiovisual.

“Durante esse período de tanta complexidade e insegurança, vemos a importância das alianças entre diferentes setores, para amenizar os efeitos da pandemia, que são bem maiores em pessoas de vulnerabilidade social”, comenta Fichtler.

“Quando chegou a história de usar máscara de tecido como alternativa, na hora me veio a ideia do sorriso, da alegria que ele transmite. Isso me contagiou e compartilhei esse conceito com pessoas que passaram a integrar o projeto. E a ideia não parou mais. Essas pessoas estão trabalhando com satisfação para ajudar o próximo. Isso é muito gratificante”, comemora Conrado.

Foto: Divulgação

Quem doou desenhos para o projeto?

Contagiando Sorrisos já conta com mais de 40 artistas participantes, incluindo nomes conhecidos nacionalmente, que doaram suas obras ao projeto. Entre eles estão Ziraldo, Laerte, Paulo Auma, Solda, Seiji Sato, Washington Silvera, André Mendes, Paixão, Debora Santiago, Diana Carneiro, Gabriela Emmerich, Laura Athayde,  André Brik, Sandra Hiromoto, André Rigatti, Emerson Persona, André Coelho, Daniel Mustafa, Rodrigo Canales, César Marquesini, Adriano Robolito, Bruno Galvani, Caio Beltrão, Camaleão, Marina Durante, Marta Souza, Karen Crysttina, Ivana Cassuli, Graciela Campos, Eva Furnari, Daline Carla, Daniel Mazer, Hedner Shram, Henrique Borges, Marcos Lins, Tatiana Stropp, Rafael Guertzenstein, Gabriel Hammoud, Gil Marcos, Marcelo Postiglioni,  Marta Souza, Michael Devis, Butcher Billy e Polvo Ninja.

Foto: Divulgação

Além dos confirmados, são feitos contatos com outros nomes. Conforme o projeto for recebendo apoio financeiro de pessoas ou empresas, serão produzidas mais máscaras, priorizando as ilustrações de novos artistas participantes e também aquelas que tiveram maior aceitação na primeira fase.

“O objetivo é alcançar 100.000 máscaras doadas, 500 artistas envolvidos e centenas de milhares de ‘sorrisos’ espalhados pelo país”, afirma Conrado da Luz.