Atualmente, com a pandemia do vírus COVID-19 – o coronavírus – a OMS e os médicos têm aconselhado as pessoas a se isolarem dentro de casa e, se possível, saírem somente para o necessário. Todavia, enquanto para alguns brasileiros trabalhar em casa – o chamado Home Office – é algo simples, para outros é impossível. Esse é o caso dos catadores.

Para essa classe, a sua renda mensal depende basicamente do quanto conseguem recolher por dia nas ruas. Com isso em mente, o movimento Pimp My Carroça criou um financiamento coletivo com o intuito de garantir uma renda mínima aos catadores, para que, desse modo, possam ficar em casa se prevenindo contra o Coronavírus. 

O valor alcançado será distribuído entre os quase 3 mil catadores autônomos cadastrados no aplicativo Cataki, plataforma criada pelo Pimp My Carroça para conectar esses trabalhadores  com as pessoas que produzem os resíduos recicláveis e entulho, dando a destinação ambientalmente correta a esses materiais.

“O trabalho dos profissionais da reciclagem sempre beneficiou a todos nós. Por isso, eu considero extremamente covarde a postura de, especialmente nesse momento, a gente cruzar os braços e se conformar com nossos privilégios. É hora de demonstrar solidariedade com quem mais faz pela reciclagem e pelo meio ambiente no Brasil.  Se cada um doar um pouquinho – e divulgar muito! – a gente consegue, ao mesmo tempo, proteger tanto a saúde quanto a renda deles”, aponta Mundano, idealizador do Pimp My Carroça.

Para contribuir com a iniciativa acesse a página da campanha.

Imagem: Divulgação

Nota do CicloVivo: O isolamento social é uma recomendação que precisa ser seguida para diminuir a velocidade do contágio pelo coronavírus, ação fundamental para evitar o colapso do sistema de saúde e salvar vidas. A solidariedade é fundamental para tornar este momento mais justo e diminuir as consequências sociais desta medida, principalmente entre as pessoas mais vulneráveis.