Todos os bicicletários do Metrô de São Paulo foram fechados. A partir de agora, os pontos servirão apenas de estacionamentos, que ficarão sob responsabilidade dos guardas de cada unidade.

No dia cinco de julho, começaram a funcionar dez bicicletários nas seguintes estações: Sé, Liberdade, Paraíso, Tamanduateí, Vila Madalena, Corinthians-Itaquera, Guilhermina-Esperança, Carrão, Brás e Santa Cecília. Esses locais continuarão a receber as bikes, desde que os ciclistas as prendam com seus cadeados.

O motivo da suspensão deve-se à desistência da empresa responsável pela operação do serviço. A companhia FGTV Produções era responsável pelo sistema, que permitia a locação gratuita de bikes por 12 horas, e, ultrapassando esse período, cobrava dois reais por hora. Já o aluguel era grátis nos primeiros sessenta minutos, e o usuário deveria pagar dois reais por cada hora adicional.

Os bicicletários anexos às estações Pinheiros e Butantã, da Linha 4-Amarela, que são operados pela ViaQuatro, seguem o mesmo sistema de guarda de bicicletas.

Em nota, a Companhia do Metropolitano de São Paulo afirma que “em até 30 dias, o Metrô apresentará uma nova proposta definitiva de funcionamento dos bicicletários”. Enquanto isso, os usuários poderão apenas guardar suas bicicletas. O serviço ficará disponível todos os dias, das 06h às 22h.

Redação CicloVivo

Avatar
Arquiteta e urbanista com formação em desenvolvimento sustentável pela University of New South Wales, em Sidney, Austrália. Fundou o CicloVivo em 2010 com a proposta de falar sobre sustentabilidade de forma divertida e descomplicada. Acredita que o bom exemplo é a melhor maneira de influenciar pessoas e que a simplicidade é a chave para vivermos em harmonia.