poste autossuficiente catavento
Foto: Dezeen
- Publicidade -

Tobias Trübenbacher, um estudante de design alemão, desenvolveu um projeto que une iluminação pública, geração de energia limpa e redução de impactos ambientais: um poste autossuficiente que gera sua própria energia e só acende quando é necessário.

A luminária ganhou o nome de Papilio e foi projetada para reduzir a poluição luminosa e emissões de gases de efeito estufa associadas à iluminação pública, diminuindo os impactos negativos para as pessoas e animais e também no meio ambiente.

- Publicidade -

O vento movimenta quatro pás de rotor aerodinâmicas feitas de folha de metal dobrada, uma mini turbina eólica em forma de cata-vento. O Papilio pode ser acoplado em paredes um funcionar como uma lanterna independente, de preferência a uma distância de 3 a 6 metros do solo, onde os ventos são mais fortes.

“Precisamos urgentemente combater a poluição luminosa e a perda de biodiversidade que vem junto com ela. Isso só pode acontecer se as próprias cidades gerarem energia – por meio de sistemas descentralizados, incorporados localmente, e produtos mais sustentáveis espalhados em grandes quantidades por todos os espaços urbanos. Neste contexto, o vento representa um potencial frequentemente subestimado, mas em constante crescimento”, afirma o estudante.

O Papilio pode ser montado a partir de componentes simples. Foto: Dezeen

A turbina eólica da luminária é impulsionada por correntes de ar nas cidades, que incluem correntes naturais, túneis de vento criados por edifícios altos e fluxos de ar menores causados ​​pela passagem de veículos.

A energia cinética do vento é então convertida em energia mecânica, antes que um gerador integrado de 300 watts a transforme em eletricidade e a armazene em uma bateria recarregável.

Sua forma se assemelha a um cata-vento e seu corpo preto fosco é projetado para refletir o mínimo de luz possível. Foto: Dezeen

“Já testei as luzes em vários locais em Berlim e, em condições normais de vento, o gerador gerou uma média de até 12 volts de eletricidade a qualquer momento”, explicou Trübenbacher.

Segundo o estudante, se usada em grande escala, a luminária é capaz de iluminar cidades sem emitir carbono. Cada turbina é autossuficiente e pode operar sem a necessidade de uma infraestrutura subterrânea de eletricidade. “A população mundial continua a gastar quase um quinto do consumo total de eletricidade global em iluminação pública e, portanto, libera uma quantidade significativa de gases de efeito estufa”, disse Trübenbacher.

“Só na Alemanha, a iluminação pública emite atualmente cerca de 2,5 milhões de toneladas de CO2 por ano.”

Tobias Trübenbacher
As luzes ainda podem podem ser conectadas à rede elétrica local e desviar qualquer energia excedente para a cidade. Foto: Dezeen

Para mitigar os efeitos da poluição luminosa em pessoas e animais, o Papilio é equipado com um sensor infravermelho de movimento que só liga a luz quando alguém está passando.

Seu desenho garante que a luz seja direcionada diretamente para o solo, sem emissão de luminosidade para a parte superior. Além disso, a luz em si tem uma temperatura de cor extra-quente que não prejudica os insetos. “Estima-se que atualmente só na Alemanha, em uma única noite de verão, cerca de 1,2 bilhão de insetos morrem por causa da iluminação das ruas”, explica Trübenbacher.

O ajuste do espectro de luz foi feito com o auxílio de cientistas e pesquisadores para ser menos atraente para os insetos. Com os postes de luz tradicionais, que têm tons de azul, a atração torna os insetos vulneráveis ​​a predadores e colisões, bem como ao superaquecimento e desidratação.

“A poluição luminosa não só tem efeitos negativos para a saúde humana – como causar distúrbios do sono, depressão, doenças cardiovasculares, diabetes e câncer – mas também tem um sério impacto na flora e na fauna.”

Tobias Trübenbacher
- Publicidade -