Sucesso no carnaval e em roupas de festa, as lantejoulas são, quase sempre, feitas de material plástico. Pelo seu minúsculo tamanho, nem é preciso falar que seu impacto ambiental pode ser grande quando descartado incorretamente. Por outro lado, a indústria da moda não vive sem essas pequenas pecinhas e é aí que entra a solução proposta pela designer Elissa Brunato, que transforma celulose em lantejoulas biodegradáveis de formas e tamanhos variados.

Batizado de Bio Iridescent Sequin (Bio lantejoula furta-cor, em tradução livre), o material é resultado de um projeto realizado em conjunto ao Instituto de Pesquisa da Suécia (RISE). “Através da extração da forma cristalina da celulose, a madeira imita a estética visual sedutora do plástico brilhante, mantendo-se leve, forte e compostável”, afirma a designer formada em Londres. 

Em um dia, ela consegue fazer as lantejoulas em laboratório, usando um molde para colocar a celulose líquida. Pronta, a peça pode ser costurada em tecido como uma lantejoula comum. Aliás, a ideia para a criação deste produto em especial veio exatamente da demanda por materiais mais sustentáveis pelas marcas de moda sustentável, como Stella McCartney. 

As lantejoulas biodegradáveis já foram expostas durante a semana de Design de Milão neste ano. “Em geral, as pessoas ficam admiradas com o fato das lantejoulas estarem brilhando naturalmente”, afirma Elissa. 

O próximo passo é testar industrialmente o desempenho do material em se biodegradar. Afinal, se não existe “jogar fora” do ponto de vista do planeta, o ideal é pensarmos a partir de agora em produtos que podem ser compostados.