Os paulistanos pedem chuva, mas quando ela cai forte causa um grande estrago. E a população se vê constrangida porque, mesmo em um período de estiagem, por vezes deseja que a água cesse, nem que seja só para voltar para casa em paz. Esse problema, muito comum nas cidades com pouco ou nenhum planejamento, não será mais uma dificuldade no bairro de St. Kjeld, em Copenhague.

Em 2012 foi anunciado o projeto que construiria uma estrutura para suportar os efeitos das mudanças climáticas em uma área da capital dinamarquesa. Parecia um sonho pensar que dentro de um bairro já existente se criaria um local em que fosse possível gerenciar a água da chuva, aproveitar melhor o espaço e oferecer opções sustentáveis à comunidade local. Pois o sonho tornou-se realidade.


Foto: cphnews

Após ser atingida por uma forte tempestade, em 2011, que levou a um prejuízo de um bilhão de dólares, a cidade por meio de seus gestores mostrou que as mudanças climáticas devem ser levadas a sério. Foi criado um plano diretor de águas pluviais, com muitas estruturas verdes em que a água pudesse ser escoada.

Mais terra, menos asfalto. A partir dessa premissa, a pavimentação das ruas está ganhando tapetes de grama com calçadas para pedestres. As praças também são  projetadas para acumular água como se fossem grandes bacias – para momentos de tempestade ou perigo de inundação. Também foi instalado um novo sistema de encanamento em que é possível coletar a água dos terraços dos edifícios, além de telhados verdes.

Em situações em que a água cai abundantemente há também outra solução: as ruas do entorno do bairro transformam-se em canais para escoamento de água que corre em direção ao porto. Ao que parece, a região conseguiu em pouco tempo e com comprometimento colocar as promessas em prática.

“O aumento das chuvas é um grande desafio para a nossa cidade. Mas, por enfrentar o desafio da forma correta, podemos proteger a cidade de aguaceiros e ao mesmo tempo trazer novos valores recreativos à cidade”, afirmou a secretária municipal de Tecnologia e Meio Ambiente, Ayfer Baykal, quando a ideia ainda estava no papel.

Apesar de já ter sido inaugurado, muitas coisas ainda estão sendo feitas e a previsão de término é para o ano de 2017. O projeto foi assinado pelo escritório de arquitetura Tredje Natur, confira abaixo algumas imagens:


Foto: Seeds Projectc


Foto: Seeds Project


Foto: klimakvarter

Redação CicloVivo 

Avatar
Arquiteta e urbanista com formação em desenvolvimento sustentável pela University of New South Wales, em Sidney, Austrália. Fundou o CicloVivo em 2010 com a proposta de falar sobre sustentabilidade de forma divertida e descomplicada. Acredita que o bom exemplo é a melhor maneira de influenciar pessoas e que a simplicidade é a chave para vivermos em harmonia.