Para OMS, segurança alimentar depende da temperatura ideal dos alimentos

Com a crescente globalização do abastecimento alimentar, a Organização Mundial da Saúde (OMS) identificou a necessidade de reforçar os sistemas de segurança alimentar, já que mantimentos contaminados são responsáveis por mais de 200 doenças e cerca de dois milhões de mortes ao ano.

Por esse motivo, a OMS definiu a “Segurança Alimentar” como tema do Dia Mundial da Saúde (7/4) e destacou a importância de uma rede de informações internacional com o objetivo de prevenir, detectar e responder a surtos de doenças transmitidas por alimentos. A farmacêutica e especialista em cadeia fria do Valida Laboratório de Ensaios Térmicos do Grupo Polar, Liana Montemor, comemora a escolha do tema e reitera a importância das boas práticas durante o processo logístico.

“A extensão territorial do Brasil, as condições das estradas e da malha aérea, o acesso aos locais remotos e o fato de sermos um país tropical sem estação do ano definida são desafios suficientes para o alinhamento perfeito da cadeia em todos os pontos de distribuição. Veja o caso de perecíveis, mariscos e peixes: apenas 2º C acima da temperatura ideal podem ocasionar sérios riscos à saúde”, explica Liana.

A OMS defende que a segurança alimentar é responsabilidade de toda a cadeia de produção de alimentos – dos agricultores e fabricantes aos fornecedores e consumidores. Confira abaixo cinco cuidados necessários para o transporte de alimentos:

– Frutas e hortaliças devem ser mantidas refrigeradas para que o produto mantenha sua qualidade até o mercado consumidor.

– O controle da temperatura é muito importante também para alimentos congelados por isso os profissionais responsáveis pela descarga dos alimentos não podem esquecer a porta dos caminhões abertas durante o desembarque dos produtos.

– Se a escolha para o transporte do material for a utilização de caixas térmicas e elementos refrigerantes que mantenham a temperatura, é importante que sejam qualificadas. Apenas o estudo de qualificação térmica das embalagens é capaz de prever a quantidade de gelo e a configuração ideal para manter a temperatura pelo tempo necessário para o transporte de carga.

– A substituição do gelo água por gelo em gel reutilizável por ser mais seguro e higiênico para o contato com o alimento. Sem garantias da produção, origem da água, manipulação e embalagem o gelo água se torna um risco para o alimento e para o consumidor.

 – Os mesmos cuidados devem ser aplicados aos produtos com temperatura entre 15 e 30°C. Equipamentos e locais de acondicionamento devem ser mapeados e monitorados termicamente e as embalagens e sistemas térmicos devem ser desenvolvidos e qualificados para garantir a qualidade dos produtos na temperatura ideal uma vez que baús e containers podem facilmente ultrapassar os 40º C.