Você toma um chazinho para relaxar ou se esquentar em um dia frio e de “presente” ganha uma dose extra de plásticos imperceptíveis a olho nu. Parece exagero, mas esta é a conclusão de um recente estudo conduzido por pesquisadores da Universidade canadense McGill.

Análises recentes já mostraram que os plásticos estão presentes em tudo: na água da torneira, na água engarrafada, no sal e até no ar que respiramos. Mas, a professora de Engenharia Química Nathalie Tufenkji focou seu estudo no chá embalado com saquinho de plástico. Será que ele poderia liberar micro e nanoplástico na bebida durante a preparação? Junto a uma equipe de cientistas a resposta que encontrou foi: sim e muito.

Os pesquisadores compraram quatro chás comerciais diferentes embalados em saquinhos de plástico. Para não interferir no estudo, tiraram as folhas secas do chá e aqueceram os sachês vazios diretamente na água. Usando microscopia eletrônica, a equipe descobriu que um único saquinho à temperatura de infusão libera cerca de 11,6 bilhões de partículas de microplásticos e 3,1 bilhões de partículas nanoplásticas na água. Números impressionantes.

Ainda como parte do estudo, foram analisados os efeitos das partículas liberadas em pequenos organismos aquáticos chamados Daphnia magna – um microcrustáceo bastante usado em ensaios sobre toxicidade. Embora os animais tenham sobrevivido, mostraram algumas anormalidades anatômicas e comportamentais.

A primeira autora do estudo, a aluna de doutorado Laura Hernandez, afirma que são necessárias mais pesquisas para determinar se os plásticos podem ter efeitos mais sutis ou crônicos nos seres humanos. Em geral, os efeitos à saúde da ingestão dessas partículas ainda é bastante vago, o que deve ser elucidado ao passo que mais pesquisas são realizadas.

O estudo sobre saquinhos de chá de plástico foi publicado na revista Environmental Science & Technology.