O descarte dos resíduos que geramos em casa ou no trabalho merece atenção especial. Além de separar os recicláveis para a coleta seletiva, é preciso tomar cuidado com certos tipos de resíduos como os eletrônicos, entulhos e objetos cortantes.

O descarte incorreto destes materiais pode gerar multa, prejudicar o meio ambiente e, no caso de objetos cortantes, ferir os profissionais de limpeza urbana.

Existem aplicativos nos quais é possível solicitar a retirada de alguns materiais. No Cataki, o usuário se conecta com catadores da sua região e combina a retirada. Já o Biothanks funciona como um “uber da reciclagem” e a retirada é agendada e paga pelo usuário.

Veja abaixo algumas dicas para o descarte correto de materiais:

Entulho de obra 

Uma das possibilidades de descarte é junto com a coleta domiciliar. No entanto, é preciso ter cuidado. De acordo com a Prefeitura de São Paulo, é proibido o depósito de entulho, terra e resíduos de qualquer natureza, em volume superior a 50 quilos, em vias, passeios, canteiros, jardins, áreas e logradouros públicos.  Exceder esse limite gera multa. O valor da infração pode chegar a mais de R$ 15 mil, podendo ter o valor dobrar em caso de reincidência.  

Móveis 

Em São Paulo, além da Biothanks, que tem neste segmento um de seus maiores nichos de mercado, é possível fazer o descarte por meio do Cata-Bagulho. A iniciativa tem como objetivo evitar que móveis, eletrodomésticos quebrados, pedaços de madeira e metais sejam depositados em vias públicas, córregos e terrenos baldios, pois, além de prejudicar a conservação do espaço público, o descarte irregular é considerado crime ambiental, sujeito a multa de R$ 18 mil em caso de flagrante. Para utilizar o serviço, os interessados devem consultar os dias e horários de retiradas no site da Prefeitura (www.capital.sp.gov.br).  

O órgão pede que os moradores coloquem os objetos em suas calçadas com uma hora de antecedência. Além disso, há a possibilidade de recorrer aos Ecopontos da cidade. No entanto, para quem não tem tempo de esperar a coleta e não consegue levar os materiais aos Ecopontos, é possível contratar empresas privadas que fazem esse trabalho.  

Eletrônicos 

Algumas companhias de tecnologia já oferecem o serviço de descarte de lixo eletrônico. Algumas marcas associadas à Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica (Abinee) criaram a Green Eletron (www.greeneletron.org.br), empresa responsável por coletar o lixo eletrônico. Há a alternativa também de recorrer à Secretaria do Meio ambiente do Estado ou município e pedir uma lista dos pontos de coleta de lixo eletrônico certificados pelos órgãos ambientais locais.  

Óleo de cozinha  

Muitas pessoas jogam o óleo de cozinha na pia ou no bueiro. Mas essa medida não é recomendada, pois, além de causar danos ambientais importantes, pode prejudicar o encanamento. O correto é armazenar o óleo velho e entregá-lo a ONGs e postos de coleta. Na Grande São Paulo, o Instituto Triângulo (www.triangulo.org.br), com sede em Santo André, realiza este trabalho. 

Objetos cortantes 

Estes materiais merecem cuidado especial, principalmente porque podem machucar as pessoas. Para quem pretende descartar cacos de vidro, garrafas ou mesmo copos quebrados, se eles forem pequenos, é possível colocá-los em uma garrafa PET. Caso os vidros sejam grandes, é recomendado embalá-los com papelão e fita crepe. Mas, é necessário escrever na embalagem que contém vidro para alertar aqueles que manusearem os pacotes.  

Um vídeo tutorial compartilhado por dois trabalhadores da limpeza urbana do município de Umuarama, no Paraná, viralizou e traz dicas importantes sobre descarte de objetos cortantes e outros materiais:

2º Informativo dos garis de Umuarama.

Posted by Kennedy Danilo on Tuesday, September 26, 2017