O projeto para proteção e conservação do gigante tatu-canastra (Priodontes maximus), desenvolvido no Pantanal do Mato Grosso e conduzido pelo pesquisador francês Arnaud Desbiez, conquistou o Prêmio Whitley de Conservação Ambiental, concedido pela Fundação Whitley. A cerimônia foi realizada na sede da Royal Geographical Society, em Londres, e o prêmio foi entregue a Desbiez pela patrona da Fundação Whitley, a princesa Anne, da Inglaterra, filha da rainha Elizabeth II.

Conhecido como o “Oscar Verde” da conservação do meio ambiente, o prêmio é considerado uma das maiores honrarias da área ambiental de todo o mundo. Além do troféu e da homenagem que receberam da princesa, os vencedores ganharam, também, 35 mil libras esterlinas (cerca de R$ 160 mil) para dar continuidade ao trabalho de conservação e estender a pesquisa com o tatu-canastra para o bioma Cerrado.

Gigante

O mamífero é considerado um fóssil vivo, por ser o mais antigo da Terra, raramente visto em liberdade no meio ambiente. O animal pode medir até 1,5 metro e pesar 50 quilos. Pode ser encontrado desde o Leste dos Andes, passando pela Colômbia e Venezuela, indo até o Sul do Paraguai e Norte da Argentina, além do Brasil.

Por causa do projeto de conservação do tatu-canastra, o governo de Mato Grosso selecionou os hábitos de vida deste mamífero gigante como um indicador para a criação de áreas protegidas. Os pesquisadores constataram que as tocas feitas pelo canastra ajudam a proteger mais de 24 espécies de vertebrados da região, servindo de abrigo, refúgio térmico, área de alimentação ou de descanso para bichos como jaguatiricas e pequenos roedores.

Subterrâneos

Especialistas do Instituto de Pesquisas Ecológicas (Ipê) e da Sociedade Zoológica Real da Escócia investigaram, por três anos, a rotina do tatu-canastra, espécie encontrada nos biomas Amazônia, Cerrado e Pantanal. Informações foram coletadas com a ajuda de armadilhas fotográficas, instaladas pelos pesquisadores Arnaud Desbiez e Danilo Kluyber, e divulgadas na revista científica de biologia tropical e conservação chamada "Biotropica".

Segundo Desbiez, o tatu-canastra é uma espécie que passa a maior parte do tempo sob a terra, em tocas que ele próprio constrói. Os buracos podem ter até cinco metros de profundidade e 35 centímetros de largura. Outros seis ambientalistas, que tocam projetos de conservação na Índia, Nigéria, Colômbia, Indonésia e Filipinas, também receberam o Prêmio Whitley de Conservação Ambiental.

Do Ministério do Meio Ambiente

Avatar
Arquiteta e urbanista com formação em desenvolvimento sustentável pela University of New South Wales, em Sidney, Austrália. Fundou o CicloVivo em 2010 com a proposta de falar sobre sustentabilidade de forma divertida e descomplicada. Acredita que o bom exemplo é a melhor maneira de influenciar pessoas e que a simplicidade é a chave para vivermos em harmonia.