A ONU Meio Ambiente abriu as inscrições para grupos participarem da Semana Mares Limpos 2019. Promovida em parceria com o Instituto Ecosurf, a Semana reunirá, entre os dias 14 e 21 de setembro, grupos de voluntários por todo o país para promoverem ações de limpeza de praias, rios, córregos e parques. As informações sobre o lixo coletado serão divulgadas com o objetivo de sensibilizar governos e sociedade sobre o problema da poluição plástica.

De acordo com a Representante da ONU Meio Ambiente no Brasil, Denise Hamú, “é preciso atuar em várias frentes para combater a poluição marinha. As ações de limpeza de praia são uma etapa importante, na medida em que ajudam a sensibilizar os cidadãos e engajá-los nesta agenda que é de todos nós – governos, empresas, academia e sociedade civil. Temos visto a mobilização crescer consideravelmente nos últimos anos e com a Campanha Mares Limpos estamos unindo esforços para reverter a maré de plásticos que invade nossos oceanos”.

Do total de plástico já produzido pela humanidade, apenas 9% foi reciclado. Pelo menos 51 trilhões de partículas de microplástico já estão em nossos oceanos, 500 vezes mais que o número de estrelas em nossa galáxia. Estimativas apontam que, se nada for feito para mudar o ritmo atual de produção, consumo e descarte de plásticos, até 2050 os oceanos terão mais plásticos que peixes.

A primeira edição da Semana Mares Limpos, em 2017, contou com a participação de 136 grupos, em 16 estados brasileiros, reunindo quase 10 mil voluntários em suas atividades. Mais de 24 toneladas de lixo foram retiradas das praias do país. Na segunda edição, em 2018, 120 grupos mobilizaram mais de 10 mil participantes em 13 estados. Os principais itens encontrados nas praias e rios foram bitucas de cigarro, tampas de garrafa, canudos, garrafas plásticas, sacolas plásticas de supermercado, embalagens plásticas em geral, copos e pratos plásticos, garrafas de vidro, pedaços de isopor e talheres plásticos. Também foram recolhidos aparelhos eletrodomésticos portáteis (como forno micro-ondas) e sofás.

“A quantidade de resíduos coletada parece muito, mas essa é só a ponta do iceberg. Sabemos que o dado é ainda maior, pois nem todos os participantes lembram de enviar as informações sobre a quantidade de lixo recolhido. Por isso, neste ano, o objetivo é mobilizar ainda mais pessoas e receber ainda mais relatórios das ações”, explica João Malavolta, Diretor Executivo da Ecosurf. “Isso nos ajuda a entender o perfil da poluição plástica no Brasil e a sensibilizar pessoas sobre seus hábitos, empresas sobre seus processos e governos sobre a urgência de mais e melhores políticas públicas na área”.

O Dia Mundial de Limpeza de Rios e Praias, internacionalmente conhecido como World Cleanup Day, ocorre em 21 de setembro. Em 2019, a expectativa é mobilizar 150 grupos, coletivos, indivíduos e organizações da sociedade civil.

Como participar?

É possível participar da Semana Mares Limpos por meio da organização autônoma de mutirões de limpeza. Há ainda a opção de buscar coletivos, grupos e empresas que promovam essas ações. Para fazer parte desse movimento é importante que o grupo esteja cadastrado pelo link.

Não há um número mínimo de pessoas para se inscrever e participar. Vale reunir amigos, familiares, vizinhos, colegas de trabalho, faculdade, escola ou engajar a cidade inteira. Quem não souber como realizar uma ação de limpeza, contará com um material que é disponibilizado logo após a inscrição.

As atividades podem ser realizadas entre os dias 14 e 21 de setembro.

Campanha Mares Limpos

A campanha global da ONU Meio Ambiente #MaresLimpos (#CleanSeas, em inglês) chegou no Brasil em setembro de 2017. A campanha atua mobilizando governos, empresas e sociedade civil para mudar as formas de produzir, consumir e descartar o plástico e evitar que chegue aos oceanos. Entre suas diversas iniciativas, a campanha busca sensibilizar governos a criarem políticas para redução do plástico, dialogar com indústrias para incentivar a redução de embalagens plásticas e convocar consumidores a mudarem seus hábitos de consumo e descarte.