- Publicidade -

Em junho deste ano, o deputado Aldo Rebelo (PCdoB) apresentou na Câmara dos Deputados uma proposta de alteração no atual Código Florestal brasileiro. O argumento utilizado por ele foi que as mudanças devem ser feitas para beneficiar os agricultores e fazer com que o país possa se desenvolver ainda mais.

Porém, as propostas idealizadas pelo deputado incluem medidas que podem exterminar boa parte das florestas em território brasileiro. O projeto inclui novas diretrizes em três aspectos principais: Áreas de Preservação Permanente (APPs), Reserva Legal e regularização ambiental e anistia.

Ao classificar os agricultores como vítima, o deputado também critica o trabalho ambiental realizado por diversas ONGs brasileiras. "Assim vai o nosso agricultor, notificado, multado, processado, embargado na sua propriedade, mal arranca da terra o seu sustento e já se vê sustentando o fiscal ambiental, o soldado, o delegado, o oficial de Justiça, o promotor, o desembargador, o advogado, o banqueiro e a ONG que inspirou o seu infortúnio."

- Publicidade -

Em sua proposta, Aldo Rebelo oferece anistia de cinco anos aos ruralistas que desmatam ilegalmente, reduz as APPs de 30 para apenas 7,5 metros, dispensa a obrigatoriedade da Reserva Legal, entre outras coisas que causaram revolta em ambientalistas de todo o Brasil. (saiba mais aqui)

O CicloVivo, assim como diversas ONGs e ambientalistas, também manifesta-se contra as alterações no código florestal e todas as consequências negativas trazidas por elas. A votação para definir o rumo final desta história deverá acontecer após o segundo turno das eleições presidenciais. É certo que o Brasil precisa alcançar o desenvolvimento, mas a nação precisa desenvolver-se sustentavelmente, ao contrário do que propõe Aldo Rebelo.

Confira o vídeo que preparamos, feito pela agência Dainet Full Digital.

[VIDEO:mudancas_no_codigo_florestal_corte_essa_ideia]

Se você também não concorda com as alterações no Código Florestal brasileiro, assine a petição que será entregue aos parlamentares e líderes da câmera.

- Publicidade -