fogo Amazônia
Queimada e vista em meio a área de floresta próxima a capital Porto Velho. Foto: Bruno Kelly | Amzonia Real | Flickr (cc-by-2.0)
- Publicidade -

Com a eleição de Jair Bolsonaro para presidente, a atuação do governo brasileiro na área socioambiental teve diversos destaques, infelizmente nada positivos. A fala do ex-ministro Ricardo Salles sobre aproveitar a pandemia para “passar a boiada” talvez seja um indicativo de como têm sido os últimos três anos.

Mas, para mostrar de forma mais objetiva os principais fatos – e retrocessos – desta fase da história brasileira, o Sinal de Fumaça – Monitor Socioambiental preparou uma linha do tempo com destaques do desmonte da governança socioambiental e das políticas de redução de desmatamento no Brasil.

A seleção parte de uma base de cerca de 450 conteúdos sistematizados desde outubro de 2018, ou seja, a partir da vitória de Bolsonaro. O monitoramento mostra quea “boiada” é um projeto político relacionado ao uso da terra no Brasil , anunciado ainda na campanha eleitoral e implementado desde o primeiro dia do governo Bolsonaro.

- Publicidade -
ricardo sales afastamento
Ex-ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles. Foto: Lula Marques

De acordo com o levantamento, os impactos extrapolam em muito as reformas infralegais verbalizadas pelo ex-ministro Ricardo Salles na reunião ministerial de abril de 2020, tornando-se agenda prioritária nos acordos com o Centrão no Congresso Nacional.

A linha do tempo mostra que quando o deputado Arthur Lira e o senador Rodrigo Pacheco assumiram as presidências das casas, projetos de lei relacionados ao uso da terra e ao licenciamento de grandes empreendimentos passaram a tramitar de forma acelerada com a benção do Palácio do Planalto.

Menos 30 anos em 3

Rebeca Lerer, coordenadora do Sinal de Fumaça, avalia que as medidas adotadas pelo governo Bolsonaro – somadas ao pacote de maldades legislativas na área socioambiental dos últimos três anos – se configuram como um retrocesso de 30 anos na governança socioambiental brasileira, que vinha sendo duramente construída a partir da Constituição de 1988.

“As bravatas e fake news distraem e os índices de aprovação podem ser historicamente baixos, mas fato é que a agenda relacionada à ocupação predatória e concentração da posse de terras é prioritária para o governo Bolsonaro. Nisso, ele tem sido bastante eficiente.”

Rebeca Lerer, coordenadora do Sinal de Fumaça
desmatamento Amazônia
Foto: Felipe Werneck | Ibama

Para Lerer, leis e políticas sobre regularização fundiária, grilagem e demarcação de terras indígenas têm sido usadas como barganha para garantir maioria no Congresso e consolidar bases eleitorais em estados do Norte e Centro-Oeste, bloqueando o andamento de processos de impeachment – apesar dos crimes de responsabilidade na gestão da pandemia e dos ataques frequentes às instituições democráticas perpetrados pelo presidente Bolsonaro.

A linha do tempo Menos 30 Anos em 3 narra como os cortes de orçamento do Ministério do Meio Ambiente, a lei da mordaça e perseguição a servidores do Ibama e do ICMBio, a pressão pela aprovação da tese do Marco Temporal no STF, os ataques ao Inpe, o apagão nas multas ambientais e a criminalização de ativistas, servidores, indígenas e lideranças comunitárias se traduziram em recordes históricos de desmatamento, queimadas, grilagem de terras e violência no campo.

COP26

“Na próxima semana, chefes de estado de centenas de países se reúnem na COP 26 para discutir como barrar a emergência climática. O Brasil vem aumentando sua participação no problema com o crescimento das emissões de poluentes derivadas do desmatamento e da carbonização da matriz energética em função da crise hídrica, por sua vez vinculada às perdas florestais.”

Rebeca Lerer, coordenadora do Sinal de Fumaça
queimadas na amazônia
Foto: Ascom CBPA

Para a coordenadora do Sinal de Fumaça, as políticas relacionadas ao uso da terra unem os setores mais atrasados da economia brasileira aos grupos mais conservadores da extrema-direita. “Além de garantir a permanência de Bolsonaro no poder, essa aliança é determinante para o resultado das eleições de 2022 destaca Lerer.

“A diplomacia e os mercados internacionais precisam exercer pressão política e comercial sobre o Brasil para responsabilizar Bolsonaro e permitir que o país cumpra suas metas de redução de emissões, minimizando o colapso climático em curso”, finaliza Rebeca.

Conteúdo da linha do tempo Menos 30 anos em 3

2019

queimadas saúde
Uma quantidade sem precedentes de incêndios eclodiu na floresta amazônica do Brasil. Nesta imagem, capturada em 21 de agosto de 2019, os fogos e as nuvens de fumaça podem ser claramente vistos. Créditos: Dados Copernicus Sentinel (2019), processados pela ESA, CC BY-SA 3.0 IGO

Medida Provisória 870 abre as porteiras da boiada e paralisa demarcações de Terras Indígenas | Ministro Salles operacionaliza o desmonte sob aplausos de Bolsonaro | Inpe sob ataque por dizer a verdade | Fundo Amazônia suspenso, confusão no G20 e Acordo UE-Mercosul na berlinda | O Dia do Fogo no Pará e o dia virando noite em diversos pontos do país | Bolsonaro Mente Sobre Desmatamento e Ataca Povos Indígenas na ONU – Parte I | Ativistas presos por apagar queimadas no Pará e outras teorias da conspiração contra a sociedade civil | Desmatamento e queimadas batem recordes históricos no período | MP da Grilagem normaliza o roubo de terras.

2020

garimpo e covid
Foto: Victor Moriyama | ISA

Bolsonaro, Garimpo e Covid-19: a tripla ameaça aos povos indígenas l O desmonte acelera e a boiada é nomeada em reunião interministerial l General Mourão e a Garantia da Lei e da Ordem – ou a Certeza de impunidade para desmatadores l Pantanal, Amazônia e Cerrado em Chamas: fumaça de queimadas cobre o país l Bolsonaro Mente Sobre Desmatamento e Ataca Povos Indígenas na ONU – Parte II lEmissões brasileiras aumentam por conta do desmatamento e Governo inventa “pedalada climática” .

2021

povos indígenas
Povos indígenas marcharam até o STF em junho, em protesto contra ameaças aos seus direitos. Foto: Tiago Miotto | Cimi

Com apoio de Bolsonaro, ruralistas dominam Câmara, Senado e comissões-chave do Congresso Nacional | A máfia da madeira ilegal e a queda de Ricardo Salles l PL que desfigura Licenciamento Ambiental é aprovado na Câmara l Escalada de Violência do Garimpo, PL 490 e Marco Temporal ameaçam Povos Indígenas l 510 e 2633: PLs da Grilagem avançam no Congresso l Bolsonaro Mente Sobre Desmatamento na ONU – Parte III l Aumento de conflitos e mortes no campo refletem incentivo do governo Bolsonaro a crimes ambientais l Tudo sendo desmatado conforme o planejado l Seca histórica e tempestades de areia escancaram crise climática brasileira l Análise e conclusão l Agradecimentos.

Sinal de Fumaça

Sinal de Fumaça é uma plataforma bilíngue independente atualizada semanalmente que sistematiza os principais fatos, notícias e discursos relacionados à crise socioambiental brasileira. Lançada em outubro de 2020 e produzida por um grupo de comunicadores e ativistas com apoio da agência Lema, a plataforma permite a busca e a “customização” de linhas do tempo temáticas, por período ou ator-chave.

sinal de fumaça

O site também permite que pesquisadores, jornalistas, ativistas, estudantes e outros usuários façam download e arquivem conteúdos selecionados. Desde maio de 2021, o Sinal de Fumaça abriu uma frente de trabalho em Nova York para articular, acompanhar e cobrir as relações Brasil – EUA nas pautas socioambientais.

Além de servir como monitor contemporâneo, o Sinal de Fumaça opera como espaço de preservação de memória e combate à desinformação no que diz respeito aos impactos da gestão Bolsonaro sobre a agenda socioambiental brasileira. 


Você pode acompanhar o Sinal de Fumaça nos seguintes canais

- Publicidade -