A classificação foi dada pelo Ministério do Meio Ambiente, que define uma série de exigências que o espaço deve cumprir seguindo as normas do Conselho Nacional do Meio Ambiente (Conama).

Entre os requisitos, o Jardim Botânico da capital do Pernambuco se destacou pela produção de mudas nativas, infraestrutura de atendimento ao visitante, corpo técnico qualificado e pelas três coleções especiais de plantas (cactos, bromélias e orquídeas) catalogadas e disponíveis para permuta com outros centros ambientais.

As crianças se divertiram na inauguração. | Foto: Andréa Rêgo Barros/ PCR
As crianças se divertiram na inauguração. | Foto: Andréa Rêgo Barros/PCR

Recentemente, também foi criado um banco de germoplasma (sementes) com publicação regular do Index Seminum e a revista técnico-científica “Arrudea”.

Com a nova classificação, o Recife passa a ocupar a mesma posição que os jardins botânicos do Rio de Janeiro, São Paulo, Brasília e Porto Alegre.

O jardim se consolida como uma opção de lazer na capital pernambucana. | Foto: Andréa Rêgo Barros/ PCR
O jardim se consolida como uma opção de lazer na capital pernambucana. | Foto: Andréa Rêgo Barros/ PCR