queimadas saúde
Imagem registrada pelo astronauta da ESA Luca Parmitano, do seu ponto de vista 400 km acima da Terra em 24 de agosto de 2019. Créditos: ESA | NASA | Lucas Parmitano
- Publicidade -

Cada vez maiores e mais frequentes, os incêndios florestais causam impactos ainda pouco estudados na saúde das pessoas – inclusive por meio de uma exposição prolongada e mais frequente à fumaça em grupos populacionais maiores e em cidades mais distantes do foco das queimadas. É o que informa um relatório divulgado hoje pela Global Climate and Health Alliance.

O relatório The Limits of Livability conduziu estudos de caso na Austrália, Brasil e Canadá e adverte que, em todo o mundo, os governos devem agir para preparar os sistemas de saúde para os impactos de incêndios recorrentes causados pela aceleração da crise climática, pelo desmatamento e pelo manejo precário da terra.

- Publicidade -

Estes incêndios provocados pelo homem podem afetar a qualidade do ar urbano quando o material particulado, metais vestigiais e gases de efeito estufa viajam para áreas urbanas. Na Amazônia, as partículas emitidas pela queima de biomassa permanecem na atmosfera por, pelo menos, uma semana e podem ser transportadas por longas distâncias, afirma o documento.

“O impacto devastador dos recentes incêndios florestais na Austrália, na Amazônia e no Canadá não se deve apenas às chamas, mas também à fumaça que persistiu durante semanas e meses, resultando em eventos que estavam fora da experiência vivida das pessoas”, disse o autor principal do relatório, Dr. Frances MacGuire, Consultor da Aliança Global para o Clima e Saúde.

brigada Alto Pantanal
Queimadas no Pantanal Foto: Ernane Jr.

Efeitos a longo prazo

“Os efeitos a curto prazo da fumaça florestal sobre a saúde estão agora bem documentados, mas os efeitos a longo prazo da exposição prolongada são desconhecidos”, continua MacGuire. “É evidente que existem lacunas significativas na pesquisa para compreender os impactos totais da fumaça sobre a saúde decorrente do aumento do risco de incêndios em um mundo em aquecimento.”

“O que estamos vendo é que mesmo depois que as últimas chamas foram extintas e as câmeras de TV se foram, mais e mais pessoas estão em risco pelas consequências a longo prazo dos incêndios florestais.”

Jeni Miller, Diretora Executiva da Aliança Global para o Clima e Saúde

Para ela, os cidadãos estão cada vez mais expostos a graves riscos de saúde devido à poluição do ar por incêndios florestais, não apenas na Austrália, Brasil e Canadá, mas em todo o mundo. “Os governos devem preparar tanto suas comunidades quanto seus sistemas de saúde a fim de proteger os mais vulneráveis, incluindo aqueles com condições respiratórias, crianças e idosos, que são desproporcionalmente afetados pela poluição do ar”, afirma Miller.

Mudança climática e saúde

Austrália, Brasil e Canadá tiveram grandes incêndios nos últimos anos que captaram a atenção global. No entanto, incêndios florestais estão acontecendo em muitos outros países ao redor do mundo, incluindo queimadas recentes na Bolívia, Paraguai, Sibéria, no oeste dos Estados Unidos e na Indonésia.

“O que o relatório nos mostra é que a mudança climática, os impactos climáticos e a saúde estão interligados, e que os formuladores de políticas devem colocar as preocupações com a saúde na frente e no centro ao criar políticas para lidar com a mudança climática – incluindo seus compromissos nacionais sob o Acordo de Paris, os Compromissos Determinados nacionalmente (NDCs)”, afirma Miller.

“A implementação tanto do monitoramento sistemático quanto da redução da poluição do ar por incêndios florestais deve ir de mãos dadas com a redução das causas dos incêndios florestais e uma melhor resposta de saúde pública.”

Jeni Miller, Diretora Executiva da Aliança Global para o Clima e Saúde

“Em última instância, os líderes globais, incluindo aqueles dos países que sofrem os piores incêndios florestais e florestais, devem intensificar e limitar o aquecimento do planeta através de uma rápida ação climática”, concluiu Miller.

Brasil

Em 2019, extensos incêndios florestais na Amazônia provocaram uma reação internacional e uma preocupação generalizada sobre a destruição da maior e mais biodiversa floresta tropical da Terra. Os incêndios de 2020 foram ainda mais graves e atingiram severamente também um dos biomas mais protegidos do país: o Pantanal.

Uma quantidade sem precedentes de incêndios eclodiu na floresta amazônica do Brasil. Nesta imagem, capturada em 21 de agosto de 2019, os fogos e as nuvens de fumaça podem ser claramente vistos. Créditos: Dados Copernicus Sentinel (2019), processados pela ESA, CC BY-SA 3.0 IGO

E o mês de maio de 2021 foi o que apresentou o pior número de incêndios desde 2007 na Amazônia e nos biomas Cerrado, com 3.815 focos de incêndio, representando um aumento de 65% em relação ao mesmo mês de 2020

Os incêndios florestais na Amazônia são intencionais e executados para limpeza de terras para pecuária e agricultura. Eles contribuem para a mudança climática ao danificar este importante estoque e sumidouro de carbono global. Segundo o relatório, na bacia amazônica, 10 milhões de pessoas vivem em áreas de má qualidade do ar.

A exposição à fumaça dos incêndios florestais tem sido ligada ao aumento das visitas às salas de emergência, com sintomas que incluem dificuldade para respirar, febre e dores no peito; e a exposição de longo prazo tem sido ligada ao aumento da vulnerabilidade aos efeitos mais graves da COVID-19.

Esta exposição recorrente e de longo prazo à fumaça dos incêndios florestais poderia ser interrompida imediatamente com uma moratória sobre o desmatamento e incêndios para a limpeza da terra, juntamente com uma forte supervisão para garantir a implementação, afirma o documento.

“Todos os profissionais de saúde devem ser treinados para compreender os danos causados pela poluição do ar e o agravamento do impacto da mudança climática sobre a saúde”, afirma Enrique Falceto de Barros, médico que atua em de Medicina Familiar e presidente do Grupo de Trabalho WONCA sobre o Meio Ambiente. “No Brasil, não podemos ser passivos quanto à mudança de leis para prejudicar a natureza e causar doenças e morte”.

Austrália

Em 2019-2020, a Austrália teve a pior temporada de incêndios florestais da história. Estes incêndios queimaram durante 19 semanas, com 33 vidas perdidas, mais de 2.000 casas destruídas, e uma estimativa de três bilhões de animais mortos.

A qualidade do ar foi dez vezes mais perigosa em Melbourne, Canberra e Sydney, com 80% da população da Austrália exposta à má qualidade do ar. A crescente gravidade dos incêndios florestais australianos tem sido impulsionada pela mudança climática, juntamente com as práticas precárias de manejo da terra.

fogo Austrália
Foto: Defence Australia

“A mudança climática contribuiu para os piores incêndios florestais da história registrada em nosso país, e expôs milhões de australianos à poluição atmosférica perigosa durante meses. Devemos reconhecer que a mudança climática é uma emergência sanitária, e responder de acordo”, afirma Fiona Armstrong, fundadora e diretora executiva da Aliança Clima e Saúde. “As políticas climáticas da Austrália estão longe de estar alinhadas com as evidências científicas, e a saúde dos australianos está sofrendo”

Canadá

No Canadá, incêndios maiores e mais intensos são impulsionados tanto pela mudança climática quanto pelo manejo florestal deficiente. As regiões polares são projetadas para aquecer mais rapidamente devido à mudança climática do que as áreas em direção à linha do Equador. Localizado perto do Ártico, o Canadá está aquecendo mais rapidamente do que muitas outras partes do mundo.

Sob o cenário do IPCC, onde as emissões de gases de efeito estufa continuam em uma faixa intermediária, projeta-se que os incêndios florestais no Canadá aumentarão 75% até 2100. No período 1980-2017, 448.444 canadenses foram evacuados devido aos incêndios florestais – metade dessas evacuações ocorreu na última década.

“No verão de 2014, dois meses e meio de fumaça de incêndios florestais resultaram no dobro do número de visitas de asma às urgências onde trabalho. Enquanto eu escrevia nosso estudo, um hospital em Alberta teve que evacuar em questão de horas devido a um incêndio épico”, relata a médica Courtney Howard, Chefe da Drygeese Territory, Yellowknife, Canadá.

“As autoridades sanitárias precisam renovar os sistemas de ventilação nos hospitais para lidar com a fumaça intensa e garantir que os planos de evacuação sejam claros para manter os pacientes seguros durante os incêndios aos quais devemos agora nos adaptar.” Courtney Howard, Chefe da Drygeese Territory, Yellowknife, Canadá.

Para acessar o relatório completo, em inglês, clique aqui.

Para acessar a parte que trata do Brasil, em português, clique aqui.

- Publicidade -