No início de 2018, o governo escocês propôs eliminar por completo a fabricação e venda de “cotonetes” de plástico. Dito e feito, passaram quase dois anos, mas a lei entrou em vigor – tornando a Escócia o primeiro país do Reino Unido a proibir as hastes flexíveis.

Sendo um dos itens mais presentes na poluição plástica marinha, a notícia foi comemorada pela diretora da ONG Marine Conservation Society, Catherine Gemmell. “Voluntários captaram mais de 150 mil hastes nas praias escocesas nos últimos 25 anos. Portanto, essa proibição em vigor é uma vitória fantástica para nossos mares e animais selvagens”.

Antes da lei entrar em vigor, a Secretária de Ambiente da Escócia, Roseanna Cunningham, lançou uma consulta pública para sondar a aceitação da proposta de proibição, ressaltando que seria um importante passo para o país liderar as iniciativas em prol de menos lixo plástico marinho.

“Estou orgulhosa de que o governo escocês tenha se tornado o primeiro governo do Reino Unido a proibir cotonetes de plástico. Plásticos descartáveis não são apenas um desperdício, mas geram lixo desnecessário que destrói nossas belas praias e espaços verdes, enquanto ameaça nossa vida selvagem em terra e no mar”, afirmou Roseanna.

De acordo com a Secretária, o país vai continuar a tomar medidas para reduzir o uso de plástico, incluindo talheres, pratos e recipientes para alimentos e bebidas feitos de poliestireno expandido. Tais itens serão proibidos ou restringidos até julho de 2021 em toda a União Europeia. Além disso, já entrou em vigor na Escócia a proibição da fabricação e venda de microesferas – também atualmente danosas à vida marinha.

“Estamos diante de uma emergência climática global e devemos trabalhar juntos para reduzir, reutilizar e reciclar para garantir um futuro sustentável para a atual e a próxima geração”, concluiu Roseanna.