A Movida, locadora que já realiza aluguéis mensais de bicicletas elétricas em São Paulo, acaba de reinaugurar a Praça Luís Carlos Paraná, um projeto urbano que une meio ambiente, mobilidade e cultura. Parte do plano de revitalização do paisagismo da ciclovia da Faria Lima, também promovido pela locadora, a praça foi inteiramente reformada, recebendo várias melhorias como uma Floresta Urbana, um local para leitura compartilhada e espaço para aluguel de bikes e trikkes elétricos.

De acordo com Charles Sperandio, Diretor de Marketing da Movida, essa ação reforça o propósito da locadora em ser uma solução de mobilidade urbana, muito além do carro. “Procuramos atuar em iniciativas que atendam às necessidades de quem se locomove nas cidades onde estamos presentes, fazendo com que a companhia sirva como um elo de interação entre o consumidor e seu percurso”, menciona o executivo.

Assinada pelo botânico e paisagista Ricardo Cardim – que tem entre seus trabalhos o projeto Pomar & Marginal Verde – a renovação da praça contempla uma Floresta Urbana, com 18 espécies de árvores da Mata Atlântica, como a Cereja do Rio Grande (Eugenia involucrata) e o Araçá amarelo (Psidium cattleianum). Além de placas com o descritivo sobre cada planta, a revitalização inclui bancos e um caminho entre a vegetação. Também estão contempladas árvores de mexerica, que contribuem para a vinda de pássaros para a região.

A banca de jornal, que estava pichada e abandonada em um dos cantos da praça, foi toda reformada e pintada, dando uma nova função para o mobiliário urbano. Agora, a estrutura funcionará como um local de leitura compartilhada. Inicialmente, foram colocados 80 livros para uso livre e rotativo livre, mas tem espaço para as pessoas deixarem outros exemplares que queiram circular. O local possui pufes e tomadas para recarregar celular, para que as pessoas possam sentar e relaxar em meio a Avenida Faria lima.

Próxima a nova banca foram disponibilizados elementos voltados para a mobilidade urbana e o ciclista, como uma estação para locação de bicicletas elétricas e trikkes. “Quem for ao local e fizer o cadastro poderá fazer a degustação destes modais por 30 minutos”, comenta o Charles. Toda ambientação segue um conceito sustentável, arborizado e integrado com a floresta urbana.

Mata Atlântica de volta a São Paulo

E seguindo o propósito de ir muito além do carro, a Movida tem incentivado a participação colaborativa do cidadão, contribuindo com o meio ambiente da cidade de São Paulo. Quem fizer o contrato de aluguel mensal da bicicleta elétrica na praça poderá escolher uma entre 10 regiões de São Paulo para que a Movida plante uma árvore nativa da Mata Atlântica.

“Quando adotamos a praça, vimos um espaço apático e descuidado, que não agregava em nada ao seu entorno. Nossa intenção foi proporcionar um novo local de convivência tanto para vizinhos como para quem passa pela região da Avenida Faria Lima”, comenta Sperandio. A novidade foi tão positiva que moradores, comerciantes e pedestres que passavam pelo local participaram do processo de plantio na nova praça.

Em abril deste ano, a Movida iniciou o paisagismo do entorno da ciclovia da Faria Lima. O projeto de revitalização dos arredores da ciclovia contemplou o plantio de mais de três mil mudas de sete espécies de plantas arbustivas e forração, em uma área de 3,2 quilômetros de extensão, desde o cruzamento com a Avenida Rebouças, no Jardim Paulistano, até o encontro com a Rua Nova Cidade, na Vila Olímpia.

Estas novidades têm relação direta com o programa Carbon Free da Movida, a primeira ação sustentável na área de locação de veículos e que conta com a parceria da ONG SOS Mata Atlântica. Nela, para cada tonelada de CO2 emitida nas locações de automóveis são plantadas, em média, 8 a 10 árvores. Desde 2009, quando o programa teve início, a Movida já plantou mais 57 mil mudas de árvores, em uma área superior a 330 mil metros quadrados, que absorveram mais de nove mil metros cúbicos de CO2.

Fotos: Movida/Divulgação