A prefeitura de Curitiba e de mais dez municípios vizinhos assinaram o Pacto pelas Nascentes de Água da Região Metropolitana de Curitiba. O compromisso foi firmado durante o Fórum de Secretários de Meio Ambiente da Região Metropolitana, realizado no Parque Guairacá, no bairro Fazendinha. 

A nova proposta tem a intenção de reforçar a necessidade de proteção das nascentes, principalmente as localizadas em área urbana. Através do pacto, o município participante se compromete em diagnosticar, classificar, preservar, conservar e valorizar as nascentes, principalmente as localizadas em área urbana, e ainda ensinar e educar a sociedade sobre a importância da conservação da natureza.

O secretário municipal de Meio Ambiente, Renato Lima, salientou durante o evento a necessidade de se fazer uma ação conjunta entre Curitiba e os municípios da região metropolitana. “Nós entendemos que sozinhos não conseguiremos, temos que trabalhar com o somatório de forças e parcerias para que cada vez mais a gente consiga preservar as nossas nascentes e, consequentemente, a vida”, afirmou.

Os Municípios participantes e que assinaram o pacto são: Araucária, Campo Magro, Cerro Azul, Colombo, Contenda, Curitiba, Doutor Ulysses, Fazenda Rio Grande, Tijucas do Sul e Itaperuçu.

O secretário municipal de Meio Ambiente de Campo Magro, Alvir Jacob, conta que há quatro anos o município, que tem 100% do seu território como área de proteção, vem identificando e georreferenciando suas nascentes – 380 já foram identificadas. O próximo passo será uma homenagem aos proprietários de terra onde se localizam as nascentes, por mantê-las preservadas em prol de toda a comunidade.

“O pacto é uma medida excelente, porque aquela realidade de falta d’água chegou, é hoje. O pacto faz os municípios se lembrarem de sua responsabilidade e se comprometerem, conforme sua capacidade, na preservação dos recursos hídricos”, disse Jacob.

Da Prefeitura de Curitiba

Avatar
Arquiteta e urbanista com formação em desenvolvimento sustentável pela University of New South Wales, em Sidney, Austrália. Fundou o CicloVivo em 2010 com a proposta de falar sobre sustentabilidade de forma divertida e descomplicada. Acredita que o bom exemplo é a melhor maneira de influenciar pessoas e que a simplicidade é a chave para vivermos em harmonia.