Um projeto de lei que proíbe a produção e comercialização de foie gras foi votado na última terça-feira (12), na câmara de vereadores de São Paulo. Típico da culinária francesa, o prato é feito com o fígado de patos e gansos. O método de preparação requer forçar os animais a comerem além do necessário, fazendo inchar o fígado.

Essa foi a segunda votação do PL 01-00537/2013, de autoria do vereador Laércio Benko (PHS), que proíbe também a comercialização de roupas feitas de pele animal na capital paulista.

Se aprovado, o estabelecimento comercial que descumprir a lei, comercializando o foie gras in natura ou enlatado, terá de pagar uma multa de cinco mil reais – o valor será dobrado em caso de reincidência.

“O foie gras é o fígado inchado destes animais, obtido por meio do método da alimentação forçada. Esta provoca uma distorção no corpo dos animais e um fígado sete vezes maior que o tamanho normal. Quanto maior o fígado, mais foie gras, e obviamente mais lucro”, explica o vereador no texto do projeto. Benko ainda explica que a prática dura 16 dias com o animal confinado, tempo em que ele ingere grande quantidade de cereais misturados com gordura por meio de canos.

O prato é motivo de critica também para a saúde humana. “Foie gras significa gordura de fígado. Quem o come, consome uma enorme quantidade de gordura, que vai diretamente para o seu próprio fígado, provocando colesterol e contribuindo para muitos problemas de saúde”, segue o texto do projeto. Acesse o PL na íntegra aqui.

O projeto segue agora para aprovação e sanção do prefeito Fernando Haddad.

Redação CicloVivo 

Avatar
Arquiteta e urbanista com formação em desenvolvimento sustentável pela University of New South Wales, em Sidney, Austrália. Fundou o CicloVivo em 2010 com a proposta de falar sobre sustentabilidade de forma divertida e descomplicada. Acredita que o bom exemplo é a melhor maneira de influenciar pessoas e que a simplicidade é a chave para vivermos em harmonia.