Um número recorde de rinocerontes mortos foi alcançado pela África do Sul em 2014. Mais de mil animais da espécie foram abatidos na mão de caçadores ilegais interessados na comercialização dos chifres destinados, principalmente, a países asiáticos.

O continente africano é o habitat natural dos rinocerontes negros, sendo a África do Sul o país com mais exemplares da espécie. São cerca de 20 mil rinocerontes, que correspondem a 90% de toda a população mundial. No entanto, os números têm caído rapidamente.

Enquanto organizações de todo o mundo incentivam a preservação, caçadores ilegais abatem, em média, três rinocerontes por dia, somente na África do Sul. De acordo com o governo local, até novembro de 2014 já havia sido registrado a morte de 1020 exemplares do mamífero.

Conforme informado pela agência Reuters, no ano anterior foram 1004 rinocerontes mortos. Os números oficiais ainda não são conhecidos, mas estima-se que tenham sido abatidos mais de 1.200 rinocerontes no último ano, quatro vezes mais do que o registrado em 2010, quando 333 rinocerontes negros foram mortos.


Foto: ©iStock/Johan Swanepoel

Algumas espécies de rinocerontes, como o rinoceronte branco, por exemplo, já foram declaradas extintas. Existem apenas cinco rinocerontes desta espécie no mundo e todos estão em zoológicos ou protegidos em áreas de preservação ambiental.

Redação CicloVivo

Avatar
Arquiteta e urbanista com formação em desenvolvimento sustentável pela University of New South Wales, em Sidney, Austrália. Fundou o CicloVivo em 2010 com a proposta de falar sobre sustentabilidade de forma divertida e descomplicada. Acredita que o bom exemplo é a melhor maneira de influenciar pessoas e que a simplicidade é a chave para vivermos em harmonia.