A produção agrícola de famílias que vivem na cidade de São Paulo receberá apoio da Prefeitura para regularização fundiária, capacitação e assistência técnica. O programa Agriculturas Paulistanas, lançado nesta semana, em Parelheiros, reúne ações para incentivar o desenvolvimento local, a preservação ambiental e a promoção de alimentação saudável.

Atualmente, cerca de 30% da área de São Paulo está na zona rural, onde há cinco mil hectares destinados à produção agrícola, principalmente no extremo sul da cidade. O objetivo do programa é estabelecer um ciclo de desenvolvimento sustentável nessas áreas. Para isso, será realizado um processo de mapeamento e de diagnóstico das propriedades rurais, oferecidos cursos de formação, e a produção local será priorizada nas compras da Prefeitura, com fornecimento para a alimentação escolar, por exemplo.

“É um programa que surge com a necessidade de estimular o aumento da produtividade e da diversidade da atividade agrícola nas zonas rurais da cidade, nas regiões sul, leste e norte. São 30 mil pessoas vivendo nas zonas rurais, com 84% das pessoas recebendo até dois salários mínimos”, afirmou o secretário Artur Henrique (Desenvolvimento, Trabalho e Empreendedorismo).

Entre as novidades está a disponibilização às famílias do fertilizante orgânico produzido da central de compostagem, que recebe os resíduos orgânicos gerados nas feiras livres da capital. A central, em funcionamento há cerca de dois meses na Lapa, zona oeste, tem capacidade de processar diariamente uma tonelada de resíduos.

Com a ampliação da produção, serão criadas estratégias de comercialização dos alimentos, com a ampliação do acesso à alimentação saudável. Atualmente, cerca de 27% dos produtos comprados para a alimentação escolar na Rede Municipal de Ensino têm como origem a agricultura familiar índice que poderá ser ampliado com essa nova iniciativa.

Da Secom