A Mauritânia recebeu a maior usina de energia solar do continente africano. Inaugurada na última sexta-feira, a unidade de geração possui quase 30 mil painéis fotovoltaicos, capazes de suprir 10% da demanda total de energia do país, que é um dos mais pobres da África.

A usina Sheikh Zayed foi construída na capital Nouakchott e vai mitigar mais de 21 mil toneladas de carbono que seriam emitidas na atmosfera por fontes de energia não renováveis. Foi necessário desembolsar US$ 31,99 milhões de dólares para erguer o parque solar, que tem 15MW de capacidade.

Mesmo não sendo um método de geração comum no continente africano, políticos e ambientalistas comemoram a construção do parque Sheikh Zayed, já que boa parte da distribuição de eletricidade na Mauritânia ainda depende de geradores a diesel, que, além de serem mais caros, também poluem o meio ambiente.

Além de energia limpa, a usina também está gerando muitas expectativas para o povo mauritano, pois a rede elétrica do país ainda apresenta muitas falhas e não cobre todo o território. Como a demanda da população por energia renovável na Mauritânia aumenta 12% a cada ano, o parque fotovoltaico será responsável por levar eletricidade para mais pessoas, de maneira sustentável.

A construção foi executada pela Abu Dhabi Masdar, empresa de energias renováveis dos Emirados Árabes Unidos. Neste ano, a empresa construiu a maior usina fotovoltaica do território árabe, na cidade de Masdar, que tem a pretensão de se tornar um município livre de emissões de carbono. Com informações da INFO.

Redação CicloVivo

Avatar
Arquiteta e urbanista com formação em desenvolvimento sustentável pela University of New South Wales, em Sidney, Austrália. Fundou o CicloVivo em 2010 com a proposta de falar sobre sustentabilidade de forma divertida e descomplicada. Acredita que o bom exemplo é a melhor maneira de influenciar pessoas e que a simplicidade é a chave para vivermos em harmonia.