O governo de São Paulo anunciou uma proposta de revitalização das áreas no entorno das marginais Pinheiros e Tietê. O projeto conta com a instalação de Veículos Leves sobre Trilhos (VLT), uma ciclopassarela e um parque no Cebolão.

O conceito por trás do projeto é transformar as áreas, que hoje são ocupadas apenas por carros e apresentam constantes congestionamentos, em locais de convivência. Para isso, serão inauguradas lojas nas marginais e novas áreas verdes.

A expectativa é de que todas as estruturas estejam funcionando dentro de 15 anos. O primeiro passo será a construção da ciclopassarela, que será exclusiva para o uso dos ciclistas e pedestres que queiram atravessar da Cidade Universitária ao Parque Villa-Lobos. A via deve ser concluída em 2014, após serem investidos, em média, R$ 80 milhões.

O Complexo Viário dos Heróis, popularmente conhecido como Cebolão, terá parte de sua estrutura transformada em área verde. De acordo com o projeto, a revitalização se dará na ligação entre o rio Pinheiros e o Tietê. A última parte da transformação das marginais ficará por conta da instalação do sistema de Veículos Leves sobre Trilhos (VLT), que atuam de forma semelhante aos antigos bondes e devem percorrer toda a via às margens dos rios.

As novidades anunciadas na última semana pelo secretário estadual de Desenvolvimento Metropolitano, Edson Aparecido, devem ser complementadas com outros detalhes, como a construção de deques em pontos estratégicos do rio.

Para que todo o projeto tenha sucesso e a população possa desfrutar das novidades da maneira como as autoridades locais esperam, o governador Geraldo Alckmin reforçou o empenho dedicado aos trabalhos de despoluição dos dois rios que cortam a cidade de São Paulo. Segundo ele, a resolução para o problema está a caminho e o primeiro passo já foi dado: tratamento de esgoto.

O valor total da proposta de requalificação urbana das Marginais é de R$ 30 bilhões e o projeto deve ser entregue ao governo estadual no início de 2014, conforme informado pelo Estadão.

A proposta ainda tem a aprovação completa de especialistas. O consultor de trânsito Horário Augusto Figueira, por exemplo, foi entrevistado pelo jornal paulistano e informou que o sistema de VLT não é o mais eficiente para o local em que ele deve ser inserido. Muitos ciclistas, que se manifestaram através de grupos em redes sociais, também demonstram insatisfação com a construção da ciclopassarela, alegando que o investimento seria melhor empregado se fosse destinado a melhorias na área de segurança do transporte e à construção de estruturas mais simples e eficientes, que alcançassem uma área maior da cidade. Com informações do Estadão.

Redação CicloVivo

Avatar
Arquiteta e urbanista com formação em desenvolvimento sustentável pela University of New South Wales, em Sidney, Austrália. Fundou o CicloVivo em 2010 com a proposta de falar sobre sustentabilidade de forma divertida e descomplicada. Acredita que o bom exemplo é a melhor maneira de influenciar pessoas e que a simplicidade é a chave para vivermos em harmonia.