O Japão deu recentemente um passo importante em direção às energias renováveis. O país inaugurou duas grandes usinas solares flutuantes, construídas pela Kyocera, em parceria com a Century Tokyo Leasin Corporation.

As estruturas foram implantadas no final de março e estão instaladas na cidade de Kato, dividida em dois lagos: Nishihira e Higashirira. De acordo com os fabricantes, as usinas serão capazes de gerar 3.300 MWh por ano, montante suficiente para abastecer 920 casas.

Esta é mais uma estratégia japonesa para conseguir suprir a demanda energética do país dependendo cada vez menos de fontes poluentes, como a energia nuclear, por exemplo.

Em informativo oficial, a Kyocera explica que as usinas solares flutuantes são mais eficientes do que as tradicionais devido ao arrefecimento fornecido pela água. Além disso, o sistema aproveita espaços inutilizados, já que encontrar áreas livres para novas construções é um problema no Japão.

As plataformas instaladas nas duas usinas são feitas com material 100% reciclável e altamente resistente aos raios ultravioletas e corrosão. Elas foram projetadas para suportarem esforços físicos extremos, incluindo desastres ambientais, como tufões. Para completar, a estrutura também pode ajudar a fornecer benefícios ambientais, pois as placas reduzem a evaporação da água no reservatório e favorecem o crescimento de algas.

Veja abaixo o vídeo das usinas já em funcionamento:

Redação CicloVivo

Avatar
Arquiteta e urbanista com formação em desenvolvimento sustentável pela University of New South Wales, em Sidney, Austrália. Fundou o CicloVivo em 2010 com a proposta de falar sobre sustentabilidade de forma divertida e descomplicada. Acredita que o bom exemplo é a melhor maneira de influenciar pessoas e que a simplicidade é a chave para vivermos em harmonia.