- Publicidade -
onda de calor
Foto: Mario La Pergola | Unsplash

A mudança climática causada por atividades humanas, sobretudo a extração de combustíveis fósseis, tornou a onda de calor no Reino Unido em julho pelo menos 10 vezes mais provável. É o que afirma a rápida análise de atribuição conduzida por uma equipe internacional de cientistas climáticos no âmbito da rede World Weather Attribution.

- Publicidade -

Os cientistas ressaltam que esta é uma estimativa conservadora, já que as temperaturas extremas na Europa Ocidental superaram o que as simulações de modelos climáticos prediziam.

Em 15 de julho, o serviço nacional de meteorologia do Reino Unido, Met Office, emitiu, pela primeira vez, um aviso de calor extremo. Nos dias seguintes, muitas estações meteorológicas em todo o país registraram suas temperaturas mais altas de todos os tempos, em muitos casos quebrando recordes anteriores em 3 e 4°C. Em 19 de julho, Coningsby, em Lincolnshire, estabeleceu um recorde nacional de temperatura alta: 40,3°C, 1,6°C mais quente que o recorde anterior e 3,6°C mais quente que o recorde que se manteve até 1990.

Embora o número exato de vítimas do calor extremo no Reino Unido ainda não tenha sido computado, estimativas apontam para centenas de mortes relacionadas ao calor.

Pior que o previsto

Em todo o mundo, a mudança climática tornou as ondas de calor mais comuns, mais longas e mais quentes. Para quantificar o efeito da mudança climática especificamente sobre as altas temperaturas no Reino Unido, os cientistas analisaram dados meteorológicos e simulações computadorizadas comparando o clima como ele é hoje, depois de quase 1,2°C de aquecimento global desde o final do século 19, com o clima do passado, seguindo métodos revisados por pares.

- Publicidade -

A análise concentrou-se nas temperaturas máximas durante dois dias na região mais afetada do Reino Unido, uma área em torno do centro da Inglaterra e do leste do País de Gales. A pesquisa constatou que a frequência e a magnitude de tais eventos aumentaram devido à mudança climática causada pelo homem.

Calor Europa
Foto: Qaus Ahmad | Unsplash

Ainda assim, determinar a contribuição exata da mudança climática mostrou-se difícil, já que o calor extremo na Europa Ocidental aumentou mais do que o estimado pelos modelos climáticos. Enquanto os modelos estimam que as emissões de gases de efeito estufa aumentaram as temperaturas nesta onda de calor em 2ºC, os registros climáticos históricos indicam que a onda de calor teria sido 4ºC mais fria em um mundo que não tivesse sido aquecido pelas atividades humanas.

Segundo os autores, isso sugere que os modelos estão subestimando o impacto real da mudança climática causada pelo homem nas altas temperaturas no Reino Unido e em outras partes da Europa Ocidental. Isso também significa que os resultados da análise são conservadores e a mudança climática provavelmente aumentou a frequência deste evento em mais do que o fator de 10 estimado pelo estudo.

- Publicidade -

Os resultados do modelo indicam que uma onda de calor tão intensa como esta ainda é rara no clima de hoje, mesmo depois de ser tornada mais provável pela mudança climática, com 1% de chance de acontecer a cada ano, de acordo com um estudo anterior feito no UK Met Office. Mas os registros meteorológicos novamente sugerem que isto pode ser uma subestimação com ondas de calor semelhantes agora mais prováveis de acontecer do que os modelos climáticos sugerem.

revolução industrial verde
Foto: Aron Van de Pol | Unsplash

“Há dois anos, os cientistas do Met Office verificaram que a chance de ver 40 graus no Reino Unido era agora 1 em 100 em um determinado ano, contra 1 em 1000 no clima natural. Tem sido triste ver tal evento acontecer tão logo após esse estudo, ver os dados brutos reportados de nossas estações meteorológicas. Este novo trabalho confirma o estudo anterior, e também nos aponta para novos ajustes”, salienta Fraser Lott, Cientista de Monitoramento e Atribuição Climática no Centro Met Office Hadley.

Para Friederike Otto, Palestrante Sênior em Ciência do Clima do Instituto Grantham – Mudança Climática e Meio Ambiente, esta “é uma descoberta preocupante que sugere que se as emissões de carbono não forem reduzidas rapidamente, as consequências da mudança climática sobre o calor extremo na Europa, que já é extremamente mortal, podem ser ainda piores do que pensávamos anteriormente”.

O estudo foi conduzido por 21 pesquisadores, incluindo cientistas de universidades e agências meteorológicas na Dinamarca, França, Alemanha, Holanda, África do Sul, Suíça, Reino Unido, EUA e Nova Zelândia.

O estudo “Sem a mudança climática causada pelo homem, temperaturas de 40°C no Reino Unido teriam sido extremamente improváveis” foi publicado na última quinta-feira (28).