David Gilmour, da banda Pink Floyd, leiloou 123 instrumentos de sua coleção particular para levantar fundos para o combate ao aquecimento global. Mais de US$ 21 milhões foram arrecadados e doados para a ClientEarth, uma organização sem fins lucrativos formada por advogados e ambientalistas que tem seu foco de atuação nas leis para proteção do meio ambiente.

O leilão aconteceu em junho de 2019 na famosa casa de leilões Christie em Nova Iorque. As famosas guitarras de Gilmour receberam ofertas de mais de 2 mil compradores de 66 países. O valor arrecadado e o total de instrumentos vendidos fizeram com que a ação entrasse para o livro dos recordes em 2019 como a maior e mais cara coleção de instrumentos vendida em um leilão beneficente – ao todo foram arrecadados US$ 21.198.250.

Foram leiloadas guitarras icônicas de diversas marcas como Rickenbacker, Fender, Gibson, Ovation, C.F. Martin and Gretsch. A coleção incluía ainda cases, amplificadores e até um banjo. O item mais desejado era a famosa guitarra negra Fender Stratocaster, usada em composições como Wish You Were Here, Dark Side of The Moon, The Wall e Animals. O instrumento foi vendido por US$ 3,975 milhões.

Uma causa urgente

Além da fama e reconhecimento internacional do músico, a causa ambiental contribuiu para que esta impressionante marca fosse alcançada.

“A crise climática é o maior desafio que a humanidade vai enfrentar e estamos há poucos anos dos alertas sobre efeitos do aquecimento global se tornarem irreversíveis”, explica o músico ao falar sobre as razões do leilão.

“Espero que a venda destas guitarras ajudam ao ClientEarth em seu propósito de usar as leis para provocar uma mudança real no mundo. Precisamos de um planeta civilizado que receba nossos filhos e netos, e as próximas gerações. Um mundo em que estas guitarras possam ser tocadas e músicas possam ser cantadas”.

Membros do ClientEarth ficaram compreensivelmente impressionados pela doação de US$ 21,5 milhões. “É uma doação extraordinária. Um gesto que está acima de qualquer das nossas expectativas. É muito difícil expressar o tamanho da nossa gratidão por David ter nos escolhido” declarou o CEO, James Thornton. 

Inspiração

A atitude de Gilmour pode ter impactos ainda maiores, uma vez que o astro pode influenciar outras personalidades a usarem sua fama e reconhecimento para atuar contra o aquecimento global. No entanto, o astro do rock, faz questão de dizer que a venda destes instrumentos não tem nada a ver com uma possível aposentadoria. “Não se assustem, eu ainda tenho alguns instrumentos guardados, dos quais não posso me desfazer. A aposentadoria ainda não chegou”, avisa ele.

Veja abaixo, em inglês, o próprio David Gilmour falando sobre o seu épico leilão, realizado em junho de 2019: