veleiro coleta plástico
Foto: SeaCleaners
- Publicidade -

Yvan Bourgnon é um velejador e aventureiro francês, apaixonado por viagens e pela natureza. Em suas travessias e corridas pelos mares, ele constantemente se deparava com o lixo plástico, cada vez mais presente, já que cerca de 8 milhões de toneladas de plástico são lançadas no oceano todos os anos.

Bourgnon e sua equipe decidiram agir e criaram o projeto SeaCleaners, Limpadores de Mares, em português. E, para combater a poluição plástica, projetaram o Manta, um catamarã gigante que literalmente se alimenta de plástico.

- Publicidade -

O veleiro de 56 metros vai ser o primeiro de seu tipo capaz de coletar, processar e recuperar grandes quantidades de resíduos plásticos do oceano. Construído em aço de baixo carbono, o Manta possui um sistema de propulsão híbrido elétrico. O barco pode manobrar em baixa velocidade, coleta resíduos a uma velocidade entre 2 e 3 nós, e atinge uma velocidade máxima de mais de 12 nós.

veleiro coleta plástico
A embarcação também poderá ser usada para emergências em áreas extremamente poluídas após desastres naturais como ciclones ou tsunamis. Foto: SeaCleaners

Esteiras coletoras trazem os resíduos a bordo, onde está uma unidade de triagem manual que faz a separação de acordo com o tipo de material coletado. Os resíduos plásticos são cortados em pequenos pedaços e encaminhados a uma unidade de conversão de resíduos em energia, onde até 95% do material é convertido em eletricidade por meio de um processo de pirólise e esta energia alimenta todo o equipamento elétrico do Manta. 

Além da geração de energia por meio de resíduos, o barco conta com duas turbinas eólicas, 500 metros quadrados de painéis solares e dois hidro-geradores.

Graças às suas fontes de energia, o Manta é capaz de operar 75% do tempo de forma autônoma. Foto: SeaCleaners

Coleta de resíduos

Os meios de coleta também são diversificados e podem retirar desde resíduos grandes que flutuam nas águas até detritos de cerca de 10 milímetros que estejam a até um metro de profundidade.

Dependendo da densidade e proximidade das camadas de resíduos, a capacidade de coleta pode variar de 1 a 3 toneladas de resíduos por hora, com o objetivo de coletar de 5 a 10 mil toneladas por ano.

Foto: SeaCleaners

A previsão é que o primeiro modelo do Manta seja entregue em 2024 e circule principalmente na Ásia, África e América do Sul, como foco em áreas estratégicas onde a poluição marinha por plástico seja particularmente densa. 

Com instalações de pesquisa a bordo, o catamarã poderá receber até 10 cientistas e ajudar a coletar dados para estudos sobre a vida marinha e poluição do oceano. Bourgnon adianta que os dados coletados a bordo do Manta estarão sempre acessíveis para a comunidade científica e pessoas interessadas.

- Publicidade -