A multinacional japonesa Sony desenvolveu um novo tipo de bateria que funciona utilizando resíduos de papel. A bio-bateria consegue produzir eletricidade transformando papel picado em açúcar, que por sua vez é utilizado como combustível. Se comercializada, a inovação pode permitir que os usuários carreguem seus dispositivos móveis utilizando resíduos do lixo.

O processo funciona usando a enzima da celulose para decompor os materiais em açúcar glicose. Estes são, então, combinados com o oxigênio e enzimas que transformam o material em elétrons e íons de hidrogênio, dando à célula os recursos necessários para fazer uma bateria trabalhar. Este processo é muito parecido com o sistema digestório do cupim que come madeira.

A tecnologia foi apresentada no início de dezembro na exposição Eco-Products 2011, em Tóquio. Na demonstração, os engenheiros da empresa usaram uma pasta de papel (algo como o que é usado para fazer papel machê) e colocaram-na em uma mistura de água. O grupo de pesquisadores disse que a celulose servirá apenas como um catalisador para que ele possa ser usado várias vezes tornando a bateria reciclável e sustentável.

Atualmente, esta bio-bateria é apenas forte o suficiente para rodar um pequeno ventilador. Os pesquisadores da empresa alegam que os resíduos da bateria de papel podem gerar até 18 wh de eletricidade, o que seria suficiente para a maioria dos dispositivos de música digital existentes no mercado.

Ao contrário das pilhas tradicionais, esta não utiliza metais ou outros produtos químicos.

"Claro que a pesquisa ainda está em fases muito precoces do seu desenvolvimento, mas quando você imagina as possibilidades que essa tecnologia poderia oferecer, torna-se muito emocionante, de fato”, disse Yuichi Tokita, pesquisador sênior do Laboratório de Pesquisa de Materiais Avançados da Sony.

A organização ambiental Greenpeace saudou o desenvolvimento: "Qualquer maneira de fornecer uma tecnologia mais verde pode ser uma mágica em potencial. Eu acho fantástico que empresas, como a Sony estejam buscando fazer a geração de energia mais ambientalmente amigável”, disse diz John Sauven, diretor executivo do Greenpeace UK, à BBC. Com informações da Sony.

Redação CicloVivo

Avatar
Arquiteta e urbanista com formação em desenvolvimento sustentável pela University of New South Wales, em Sidney, Austrália. Fundou o CicloVivo em 2010 com a proposta de falar sobre sustentabilidade de forma divertida e descomplicada. Acredita que o bom exemplo é a melhor maneira de influenciar pessoas e que a simplicidade é a chave para vivermos em harmonia.