tijolo tecido
Foto: FabBRICK
- Publicidade -

Quando estava na faculdade de arquitetura, a francesa Clarisse Merlet ficou impressionada com a quantidade de resíduos que a indústria têxtil gerava – só na França, são cerca de 4 milhões de toneladas e, nos Estados Unidos, mais de 17 milhões de toneladas. O mais grave é que menos de um terço destes resíduos, compostos principalmente por restos de tecido e roupas, são reutilizados ou reciclados. 

Merlet também se preocupava com o impacto ambiental da construção civil, com grande extração de recursos naturais e  desperdício, e encontrou uma solução única para estes dois problemas e começou a fabricar tijolos decorativos e isolantes com restos de roupa. Este é o produto da premiada empresa fundada por Clarisse, a FabBRICK.

- Publicidade -
Foto: FabBRICK

O componente básico dos tijolos é a roupa rasgada, comprada pré-moída de um fornecedor na Normandia. Cada tijolo usa o equivalente a duas a três camisetas de material e, qualquer tipo de tecido pode ser usado. Os resíduos são misturados com uma cola ecológica, também desenvolvida por Clarisse, e prensados ​​em um molde de tijolo. 

Este molde usa compressão mecânica para formar os tijolos, portanto, não requer energia além da necessária para pressioná-lo para baixo. Os tijolos molhados são removidos do molde e colocados para secar por duas semanas antes de usar.

Foto: FabBRICK

É importante ressaltar que estes tijolos não podem ser usados na construção de paredes ou partes estruturais, mas podem ser aproveitados para decoração e construção de compartimentos e divisórias internas, sendo aproveitados em várias lojas.

Os tijolos são resistentes ao fogo e à umidade e são um excelente isolante térmico e acústico. As peças podem ter 4 tamanhos diferentes e também já foram aproveitadas em luminárias, mesas, bancos e muito mais. 

Foto: FabBRICK

“Desde a nossa criação no final de 2018, já desenhamos mais de 40.000 tijolos que representam 12 toneladas de têxteis reciclados”, conta a fabricante.

Clarisse explica ainda que é possível usar máscaras cirúrgicas retalhadas para a fabricação de tijolos, ajudando a dar um destino mais sustentável à imensa quantidade deste material que está sendo gerada desde o início da pandemia. “Ainda não sabemos como vamos vendê-lo, porque ainda tem que passar por uma série de testes de laboratório, principalmente testes de incêndio, mas a ideia é construir alguns móveis pequenos e ver como eles trabalhos”, explica a empreendedora.

Foto: FabBRICK

Clarisse e sua equipe estão trabalhando para desenvolver tijolos de tecido que possam também ser usados em partes estruturais da construção civil.

Apesar de ser uma empresa pequena que ainda está em fase de desenvolvimento, a FabBRICK tem um enorme potencial, já que oferece uma solução para um resíduo que precisa de uma destinação mais sustentável, os resíduos da indústria têxtil, e que pode substituir o uso de recursos naturais usados na fabricação de tijolos convencionais.  

- Publicidade -