Na última segunda-feira (5), a 4ocean, empresa de limpeza oceânica sediada em Boca Raton, cidade da Flórida (EUA), anunciou a remoção de cerca de 907 mil quilos de lixo plástico oceânico. O feito foi alcançado quatro meses após a companhia comunicar a retirada de mais de 400 mil quilos do material -, isto em menos de dois anos de fundação da empresa.

A limpeza da 4ocean é financiada inteiramente por meio da venda de pulseiras de materiais reciclados pós-consumo, entre outros produtos ecológicos. Cada compra remove, no mínimo, meio quilo de lixo do oceano e da costa.

“900 toneladas de plástico retirado, este é apenas o começo de um compromisso vitalício para proteger o futuro do nosso meio ambiente”, diz Alex Schulze, co-fundador da 4ocean. “Sete dias por semana, durante 365 dias por ano, equipes de quatro capitães e tripulantes, em tempo integral, dedicam-se a limpar bocas de rios, oceanos e costas, tanto acima quanto abaixo da água”, completa.

O problema que vira renda

Com fins lucrativos e criada por dois surfistas, o 4ocean dá ao oceano plástico um valor monetário que não se pensava anos atrás. A quantidade incrível de plástico que entra nos oceanos anualmente, estimado em oito milhões de toneladas, faz com que empresas como essa sejam necessárias e prosperem.

O modelo de negócios da companhia está criando novas possibilidades de trabalho, por exemplo, pagando pescadores para coletar plástico e lixo do oceano ao invés de peixe. Ou seja, está mudando a maneira como as pessoas pensam sobre o problema da poluição plástica.

Os planos da 4ocean é aumentar suas operações nos Estados Unidos e expandi-las para Bali, na Indonésia, Porto Príncipe, no Haiti, entre outras regiões.