A New Cities Foundation anuncia nesta terça-feira (14) os nomes dos três aplicativos finalistas do Prêmio AppMyCity. Os participantes concorrerem ao título de melhor aplicativo urbano do mundo. 

Durante o “New Cities Summit”, evento que acontece em junho, em São Paulo, os finalistas apresentarão seus aplicativos para uma plateia composta pelos principais líderes urbanos globais na tentativa de levar o prêmio de US$ 5 mil. O aplicativo vencedor será escolhido pelo público e anunciado durante o evento.

O corpo de jurados do Prêmio AppMyCity, composto por especialistas de vários países, estavam em busca dos melhores aplicativos ao redor do mundo, capazes de melhorar a experiência urbana e tornar as cidades mais divertidas, justas e vibrantes. 

Os jurados selecionaram os seguintes finalistas para o Prêmio AppMyCity! 2013:

BuzzJourney, de Kfar-Saba, Israel: é um aplicativo de transporte social que oferece informações  sobre todos os meios de transporte urbano, incluindo ônibus, trem, táxi, aluguel de bicicleta e até mesmo sobre o compartilhamento de carros. 

PublicStuff, de Nova York, EUA: ajuda a transformar dúvidas e solicitações cívicas em melhorias tangíveis para a comunidade, conectando os cidadãos  a seus representantes no governo por meio de celulares, laptops e tablets.   

Walkability, de Délhi, Índia, por meio do crowd-sources de dados, informa ao governo como criar espaços urbanos mais “amigos” dos pedestres. 

“Nossos três finalistas demonstram a incrível criatividade dos jovens desenvolvedores. Ficamos impressionados ao ver a diversidade dos projetos apresentados pelos nossos dez semifinalistas, vindos de todas as partes do mundo incluindo Brasil, Índia, Estados Unidos, Israel, Holanda e África do Sul. Os aplicativos melhoram nossas vidas nas cidades de forma divertida, séria e significativa, como demonstram os finalistas”, declarou Mathieu Lefevre, diretor executivo da New Cities Foundation e jurado do Prêmio AppMyCity!.

 

Avatar
Arquiteta e urbanista com formação em desenvolvimento sustentável pela University of New South Wales, em Sidney, Austrália. Fundou o CicloVivo em 2010 com a proposta de falar sobre sustentabilidade de forma divertida e descomplicada. Acredita que o bom exemplo é a melhor maneira de influenciar pessoas e que a simplicidade é a chave para vivermos em harmonia.