Jaguar Cars, fabricante de automóveis de luxo, anunciou que não produzirá mais seu híbrido C-X75. Com cinco protótipos em desenvolvimento, a fabricante alega que o alto custo do projeto é o motivo para o fim do modelo superesportivo.

O C-X75 possui um sistema de propulsão híbrido, com um motor elétrico em cada roda e um motor a combustão 1.6 com compressor, que entrega cerca de 900 cv. Segundo a Jaguar, o carro pode atingir 100 km/h em 2,8s. O automóvel emite menos de 99g/km de CO2. Ao divulgar a criação do modelo, a empresa afirmou que ele seria desenvolvido com a ajuda da equipe Williams F1.

No ano passado, o diretor global da Jaguar, Adrian Hallmark, afirmou que o público espera inovação da fabricante e, por esse motivo, ela “se mostra como a melhor”. Entretanto, em declaração recente, Hallmark salientou outra preocupação. “Olhando para as medidas de austeridade global atuais, parece que é o momento errado para lançar um supercarro que custaria entre 800 mil e 1 milhão de libras (R$ 3,3 milhões)”, declarou.

O fim da série deve-se a uma política de corte de custos. Dos protótipos em desenvolvimento, dois deles serão leiloados e um deles ficará no museu da marca. Para o mercado uma péssima notícia, será retirada a possibilidade de vender um modelo híbrido e esportivo com desempenho similar aos mais potentes da atualidade.

Quando apresentado no Salão de Paris, em 2010, a ideia era que o modelo luxuoso e ecológico tivesse fabricação limitada a 250 unidades. A previsão de custo era de cerca de milhões de reais, a depender do país que fosse comercializá-lo e seria vendido em 2015. Com informações da Folha.

Redação CicloVivo

Avatar
Arquiteta e urbanista com formação em desenvolvimento sustentável pela University of New South Wales, em Sidney, Austrália. Fundou o CicloVivo em 2010 com a proposta de falar sobre sustentabilidade de forma divertida e descomplicada. Acredita que o bom exemplo é a melhor maneira de influenciar pessoas e que a simplicidade é a chave para vivermos em harmonia.