O norte-americano Blake Mycoskie apostou em um negócio atrelado a ações sociais desde o seu início. Após vencer o seriado The Amazing Race e passar uma temporada na Argentina, ele voltou aos Estados Unidos e decidiu fabricar sapatos, mas ao invés de apenas vende-los, ele teria um modelo diferente de negócio, conhecido como “Compre um doe um”.

A marca TOMS produz sapatilhas confortáveis e informais. A ideia de Myscoski desde o início não era destinar parte dos lucros a programas de assistência social, mas desenvolver uma cadeia em que fosse possível doar um par de sapatos a cada um vendido.

A simplicidade da ideia foi a chave para o sucesso. Com o passar dos anos a marca foi crescendo, assim como as opções de produtos fabricados e o alcance social. De acordo com o empresário, ao longo dos últimos oito anos a marca já doou mais de dez milhões de sapatos, além de 200 mil óculos e um projeto que leva água limpa a populações carentes.


Foto: Reprodução

Para expandir ainda mais o alcance desse projeto, a TOMS iniciou uma pareceria com uma das maiores lojas de departamento da América do Norte. A partir de novembro de 2014, os produtos da marca comercializados na Target durante as comemorações de final de ano serão transformados em sapatos, refeições ou cobertores para pessoas necessitadas.

Em declaração ao Financial Post, Blake Mycoskie deu três dicas para que as empresas tenham sucesso baseado em sua própria experiência. Veja abaixo quais são eles:

1. Um ótimo produto. Não importa quão convincente seja o seu impacto social, se o seu produto não é bom ou não é competitivo, os consumidores não se interessarão e não se envolverão com a causa.

2. Uma grande missão. A missão deve ser autêntica, porque é a base para a existência de uma empresa. Se ela não foi verdadeira, os consumidores perceberão isso.

3. Uma grande história. Grandes histórias são muito compartilhadas. Assim, os próprios clientes vão querer contar aos amigos e se orgulhar de serem consumidores conscientes.

Redação CicloVivo

Arquiteta e urbanista com formação em desenvolvimento sustentável pela University of New South Wales, em Sidney, Austrália. Fundou o CicloVivo em 2010 com a proposta de falar sobre sustentabilidade de forma divertida e descomplicada. Acredita que o bom exemplo é a melhor maneira de influenciar pessoas e que a simplicidade é a chave para vivermos em harmonia.