Peter Tabichi é um professor de ciências e franciscano que doa 80% de sua renda mensal para ajudar os pobres. Sua dedicação, trabalho árduo e crença no talento de seus alunos, que estudam com poucos recursos na remota Quênia rural, levou-o ao prêmio de melhor professor do mundo pela Global Education and Skills Forum, competição realizada nos Emirados Árabes.

Peter leciona na Escola Secundária Keriko Mixed Day em Pwani Village, situada em uma parte remota e semi-árida do Vale do Rift do Quênia. Por lá, estudantes de diversas culturas e religiões aprendem em salas de aula mal equipadas.

“Ver meus alunos crescerem em conhecimento, habilidades e confiança é minha maior alegria em ensinar! Quando eles se tornam resilientes, criativos e produtivos na sociedade, eu fico muito satisfeito, pois sou o principal facilitador de seu destino e a chave que abre seu potencial da maneira mais empolgante”, afirma o professor.

Dificuldades e superações

Cada aluno enfrenta sua batalha pessoal em uma região onde a seca e a fome são frequentes. 95% dos alunos são oriundos de famílias pobres, quase um terço são órfãos ou têm apenas um dos pais e muitos não têm comida em casa. Abuso de drogas, gravidez na adolescência, abandono precoce da escola, casamentos jovens e suicídio são comuns.

Transformar vidas em uma escola com apenas um computador, internet fraca e uma relação baseada em aluno-professor não é tarefa fácil, especialmente quando, para se chegar à escola, os alunos devem caminhar 7 km ao longo de estradas que se tornam intransitáveis ​​em períodos chuvosos.

Implacável, Peter iniciou um clube de formação de talentos e expandiu o Clube de Ciências da escola, ajudando os alunos a realizarem projetos de pesquisa de tal qualidade que 60% agora se qualificam para competições nacionais. Peter orientou, por exemplo, seus alunos na Feira de Ciências e Engenharia do Quênia, em 2018 – onde os alunos apresentaram um dispositivo que permitia que pessoas cegas e surdas pudessem medir objetos. Peter viu a sua escola da aldeia ganhar em primeiro lugar a nível nacional na categoria de escolas públicas. A equipe de Ciências Matemáticas também se qualificou para participar da Feira Internacional de Ciências e Engenharia INTEL 2019, no Arizona, EUA, para a qual eles estão atualmente se preparando.

Esforço contínuo

Peter e quatro colegas também dão aos alunos de baixo rendimento uma aula individual em Matemática e Ciências fora da sala de aula e nos fins de semana -, onde Peter visita as residências dos estudantes e conhece suas famílias para identificar os desafios que eles enfrentam.

Apesar de lecionar em uma escola com apenas um computador desktop com uma conexão intermitente, Peter usa novas tecnologias de informação e comunicação em 80% de suas aulas para envolver os alunos, visitar cibercafés e armazenar conteúdo online em cache para ser usado offline em sala de aula.

Ao fazer seus alunos acreditarem em si mesmos, Peter melhorou drasticamente o desempenho e a auto-estima de seus alunos. A matrícula dobrou para 400 em três anos, e os casos de indisciplina caíram de 30 por semana para apenas três. Em 2017, apenas 16 dos 59 alunos ingressaram na faculdade, enquanto em 2018, 26 alunos foram para a universidade e faculdade. O desempenho das meninas, em particular, foi impulsionado: hoje as meninas lideraram em todos os quatro testes estabelecidos no ano passado.