“Quem sabe no futuro nós não tenhamos crianças que saiam daqui para se tornarem engenheiros agrônomos, ou que façam cursos relacionados à sustentabilidade”. A frase de Eliane Ribeiro da Costa da Silva, diretora da E.E. Professora Maria da Conceição Oliveira Costa, resume bem a satisfação da unidade de ensino de Anos Iniciais com a sua horta sustentável.

O projeto, que contou com a parceria da ONG Cidades sem Fome, transformou o hábito alimentar dos pequenos estudantes do Ensino Fundamental e aguçou o interesse das crianças pelo tema. “Essa atividade acrescentou muita coisa no aprendizado de nossos alunos. Ao mesmo tempo que eles aprendem a ter o contato com a terra, água e o plantio, eles desenvolvem sua capacidade na leitura e escrita”, revela a diretora.

No espaço, que antes era considerado ocioso, os estudantes plantam alface, almeirão, escarola, repolho, limão, ameixa, entre outros alimentos, que são levados para casa pelos alunos. A escola também utiliza o plantio na merenda escolar. “Alguns pais me falam que as crianças chegam em casa e eles mesmos querem cozinhar os alimentos que plantaram, tamanha é a curiosidade pela atividade”, conclui Eliane.

horta_escola_sp_antes
Foto: Cidades sem fome
horta_escola_sp
Foto: Cidades sem fome

A unidade escolar da zona leste da capital não foi a primeira a receber o projeto. Ao todo, a ONG Cidades sem Fome já implantou 38 hortas em escolas públicas, proporcionando a participação de mais de 14 mil alunos.

“O projeto ‘Hortas Escolares’ deriva de outro projeto que temos há uns cinco anos, que chama-se ‘Hortas Comunitárias’, no qual usamos os espaços públicos de São Paulo para realizar esse trabalho com a população. E nas escolas o nosso foco é a educação ambiental. A ideia é fazer com que o projeto traga um pouco mais de noção nas crianças sobre os alimentos que elas consomem diariamente, além de tentar desmistificar o tabu existente entre as crianças de que legumes e verduras não são saborosos”, afirma Hans Dieter Temp, fundador e coordenador de projetos da ONG.

Horta Educativa nas escolas estaduais

Em 2013, a Educação assinou um termo de cooperação entre o Fundo Social de Solidariedade (Fussesp) e a Secretaria da Agricultura para a implantação do projeto Horta Educativa. O objetivo é ensinar conceitos de Educação Ambiental, Nutricional e Valorização do Meio Rural via Horticultura.

No acordo, o Fussesp coordena a execução do projeto fornecendo material de apoio como ferramentas, sementes, material pedagógico e didático para a implantação nas escolas. Já a Secretaria da Agricultura elabora o estudo de viabilidade das áreas nas quais são implementadas as “Hortas Educativas”, disponibilizando assistência técnica para assuntos relacionados ao projeto.

Por fim, cabe a Secretaria da Educação disponibilizar o cuidador da horta para cada unidade escolar e encaminhar ao Fussesp relatório das atividades executadas.

da Secretaria de Educação do Estado de São Paulo

Veja também a escola pública que cultiva horta hidropônica e usa alimentos na merenda.