O projeto “Plantando um Futuro e Colhendo a Vida” tem ajudado a transformar a rotina e as expectativas de detentos no interior de São Paulo. A iniciativa, aplicada em seis presídios paulistas, promove a capacitação e a recuperação ambiental.

Através do projeto, os presos que estão em regime semiaberto realizam o plantio de mudas nativas da região, com o intuito de aumentar a área florestada nos arredores dos presídios. Além do ganho ambiental, o trabalho tem proporcionado aos detentos descobrirem uma nova profissão.

Em entrevista realizada pela TV Fronteira, Ademir Moura Leal, um dos instrutores do projeto, explicou que os presos têm a oportunidade de aprender todo o processo de plantio, desde a semente até o campo. A partir desta formação, eles são capacitados a exercerem a profissão quando estiverem em liberdade.

De acordo com a reportagem da equipe local, o projeto atende atualmente a seis unidades prisionais. São 77 detentos participantes. Um dos integrantes, recluso na unidade de Presidente Venceslau, garantiu que o projeto é muito importante para a população local, pelo benefício ambiental, e para eles também, pois facilita a ressocialização e reintegração.  

Redação CicloVivo

Avatar
Arquiteta e urbanista com formação em desenvolvimento sustentável pela University of New South Wales, em Sidney, Austrália. Fundou o CicloVivo em 2010 com a proposta de falar sobre sustentabilidade de forma divertida e descomplicada. Acredita que o bom exemplo é a melhor maneira de influenciar pessoas e que a simplicidade é a chave para vivermos em harmonia.