A artista plástica Tali Signorile e o arquiteto Héctor Pereyra desenvolveram um projeto para que as pessoas possam economizar dinheiro, se alimentar melhor com alimentos bem conservados e, de quebra, contribuir para a redução de emissão de gases do efeito estufa.

Para isso desenvolveram o que eles chamaram de Caixa Verde, uma instalação de madeira e vidro que usa areia e água para conservar até 20 quilos de legumes e outros alimentos, sem a necessidade do uso de geladeiras e energia elétrica.

A madeira usada precisa ser bem resistente à umidade e a ideia é que a estrutura toda seja o mais leve possível para que seja fácil manipular e posicionar a Caixa Verde. A proposta é que as pessoas possam usar os diferentes módulos da forma mais prática de acordo com o espaço que possuem.

Os criadores garantem que o produto pode ser usado em qualquer lugar ventilado, desde que não fique exposto ao sol.

Como surgiu a ideia

Tali e Héctor lembram que mais de 1/3 da produção de alimentos é desperdiçada antes do consumo e que, dentro de casa, também há desperdício. E, com o seu projeto, esperam mudar alguns hábitos como o de colocar tudo na geladeira – onde muitas vezes os alimentos acabam escondidos e esquecidos.

Os dois são argentinos e estimam que no país vizinho o prejuízo com o desperdício de comida pode chegar a US$ 780 milhões por mês. Existe também o prejuízo ambiental, com a geração de gás metano produzido pela decomposição dos resíduos orgânicos em aterros.

O casal trabalhou por 5 anos desenvolvendo esta ideia e testando a eficácia da Caixa Verde.

Como usar?

caixa verde

O objetivo com a Caixa verde é que as pessoas usem a geladeira apenas para armazenar derivados de leite e proteína animal. Isso acontece apenas entre os alimentos, areia e água, sem o uso de eletricidade.

O casal esclarece que o uso da Caixa Verde é recomendado principalmente para países em desenvolvimento e para comunidades sem condições financeiras ou acesso à energia elétrica.

Veja abaixo as recomendações que o casal dá apara a conservação de diversos alimentos na Caixa Verde:

Ovos, frutas e tubérculos

Estes grupos devem ficar juntos.As cascas dos ovos, apesar de parecerem rígidas, têm poros que podem absorver odores na geladeira, alterando seu sabor. Deixa-los em um ambiente fresco já é o suficiente.

As frutas liberam uma quantidade moderada de gás etileno que ajuda a no amadurecimento controlado de batatas e tubérculos sem o aparecimento de brotos na superfície.  

Verduras

As verduras como pepinos, berinjelas e abobrinha, têm muita água em sua composição e, se as deixamos na geladeira, elas perdem umidade rapidamente, ficando enrugadas, moles e sem consistência. Colocar este grupo perto de uma fonte de água, ajuda a retardar este processo. O mesmo vale para os tomates.  

Raízes de caule

As cebolas , beterrabas e funchos devem ficar na areia, apenas com as raízes enterradas e a areia não precisa estar úmida.

Cítricos

Los cítricos devem ficar isolados porque emitem uma quantidade maior de etileno que aceleraria muito o processo de amadurecimento dos demais alimentos.  

Raízes curtas com folhas grandes

Estas hortaliças são prejudicadas pelo contato com o ar, perdendo umidade, textura e firmeza. Por isso podemos enterrá-las em areia úmida – apenas a parte da raiz deve estar na areia. São exemplos destas hortaliças o alho poró e o salsão.

Raízes grandes

Para a cenoura, o rabanete e a radicheta, o ideal é que todo o alimento esteja na areia úmida.