O Conselho Municipal de Honolulu, capital do Havaí, acaba de aprovar a proibição de plásticos descartáveis. A princípio a medida vale para as companhias que fornecem os utensílios em estabelecimentos comerciais. Posteriormente, será estendida a outros setores.

O comércio de alimentos não poderá mais distribuir garfos, colheres e facas de plástico. Também serão banidos canudos plásticos e utensílios de espuma de poliestireno (isopor), como é o caso das embalagens térmicas fornecidas em padarias e lanchonetes. Já a partir de 1º de janeiro de 2021 será proibido o isopor e os demais itens a partir de 2022.

As empresas que descumprirem as regras podem sofrer multas de até mil dólares por dia. Empresas de serviços alimentícios reclamaram, mas agora basta o assinatura do prefeito Kirk Caldwell para a proibição ser confirmada. 

Em São Paulo tramita um projeto de lei para banir o plástico descartável em comércios da capital

Compromisso com as árvores 

Honolulu ainda faz parte da iniciativa Cities4Forests, lançada na Cúpula Mundial de Ação Climática em São Francisco, na Califórnia (EUA), em 2018. Assinado por 45 cidades – entre elas apenas três capitais brasileiras (São Paulo, Belo Horizonte e Salvador) – o compromisso é de conservar e restaurar suas florestas, assim como conscientizar seus moradores sobre os inúmeros benefícios das árvores.