O fotógrafo Sebastião Salgado e sua esposa Lélia Wanick Salgado lançaram uma campanha internacional de mobilização em defesa dos povos indígenas brasileiros diante da Covid-19 e da invasão de suas terras por garimpeiros, grileiros, madeireiros e líderes religiosos.

Na semana passada, 21 entidades brasileiras enviaram uma nota ao governo federal exigindo medidas de proteção, frente à grave ameaça que a pandemia representa para os índios.

Durante os últimos 7 anos, Sebastião Salgado esteve na Amazônia fotografando diferentes etnias e foi informado do grave risco que eles estão correndo.

Uma petição lançada no domingo, 3 de maio, está recolhendo assinaturas e cobrando medidas do governo federal brasileiro.  Já assinaram a petição e o manifesto diversas personalidade nacionais e internacionais.

Somam-se ao fotógrafo e sua mulher a apresentadora Oprah Winfrey, a atriz Meryl Streep, Madonna, Paul McCartney, Sting, Sylvester Stallone, Pedro Almodóvar, Brad Pitt, Ai Weiwei, Tadao Ando, Werner Herzog e o príncipe Albert 2º, de Mônaco.

Entre os brasileiros, assinaram a petição Chico Buarque, Gilberto Gil, Caetano Veloso, Gisele Bündchen, Fernando Meirelles, João Carlos Martins, Carlos Nobre, Luciano Huck e Beatriz Milhazes.

Envolvimento de todos

Um vídeo gravado pelo cineasta Fernando Meirelles, com fotos de Sebastião Salgado, está circulando nas redes sociais e convocando pessoas a participarem da campanha.

“Essas pessoas pedem ao presidente da República e aos líderes do Congresso e do Judiciário do Brasil que criem uma força-tarefa para retirar das terras indígenas os invasores ilegais e possa garantir aos habitantes originais a proteção de sua saúde”, diz o vídeo.

A campanha também incluiu jornais do Brasil e do exterior, incluindo a Folha de São Paulo, Frankfurter Allgemeine (Alemanha), El País (Espanha) e The Guardian (Reino Unido).

Foi publicado por estes veículos de comunicação o seguinte texto em forma de anúncio: “Diante da urgência e da seriedade dessa crise, como amigos do Brasil e admiradores de seu espírito, cultura, beleza, democracia e biodiversidade, apelamos ao presidente da República, sua excelência senhor Jair Bolsonaro, e aos líderes do Congresso e do Judiciário a adotarem medidas imediatas para proteger as populações indígenas do país contra esse vírus devastador”.

Pedido de força-tarefa

Em entrevista ao jornal Folha de São Paulo, Sebastião Salgado afirmou que em Roraima, cerca de 20 mil garimpeiros estão dentro do território ianomâmi. “Há madeireiros invadindo para todo lado. O contato hoje com o coronavírus é um perigo total. E, como eles não têm defesa imunológica, há um risco maior de genocídio. A minha preocupação é de defesa desses povos”, disse Salgado.

“Estamos solicitando uma intervenção, uma força-tarefa que entre nesses territórios e proteja essa população, como aconteceu nos meses de julho e agosto, nos incêndios florestais, quando houve uma enorme pressão internacional”, afirmou o fotógrafo. “Tenho esperança de que tenha repercussão principalmente do Legislativo e do Judiciário, pessoas com uma preocupação intelectual maior do que a Presidência da República.”

Para assinar a petição, clique aqui.

Foto: Sebastião Salgado

Leia abaixo a íntegra do manifesto publicado por Sebastião Salgado e Lélia. O apelo é dirigido aos três Poderes do Estado brasileiro.

“APELO URGENTE AO PRESIDENTE DO BRASIL E AOS LÍDERES DO LEGISLATIVO E JUDICIÁRIO

Os povos indígenas do Brasil enfrentam uma grave ameaça à sua própria sobrevivência com o surgimento da pandemia do Covid-19. Há cinco séculos, esses grupos étnicos foram dizimados por doenças trazidas pelos colonizadores europeus.

Ao longo do tempo, sucessivas crises epidemiológicas exterminaram a maioria de suas populações. Hoje, com esse novo flagelo se disseminando rapidamente por todo o Brasil, comunidades nativas, algumas vivendo de forma isolada na Bacia Amazônica, poderão ser completamente eliminadas, desprovidas de qualquer defesa contra o coronavírus.

Sua situação é duplamente crítica, porque os territórios reconhecidos para uso exclusivo de populações autóctones estão sendo ilegalmente invadidos por garimpeiros, madeireiros e grileiros. Essas operações ilícitas se aceleraram nas últimas semanas, porque as autoridades brasileiras responsáveis pelo resguardo dessas áreas foram imobilizadas pela pandemia.

Sem nenhuma proteção contra esse vírus altamente contagioso, os índios sofrem um risco real de genocídio, por meio de contaminações provocadas por invasores ilegais em suas terras.

Diante da urgência e da seriedade dessa crise, como amigos do Brasil e admiradores de seu espírito, cultura, beleza, democracia e biodiversidade, apelamos ao Presidente da República, Sua Excelência Sr. Jair Bolsonaro, e aos líderes do Congresso e do Judiciário a adotarem medidas imediatas para proteger as populações indígenas do país contra esse vírus devastador.

Esses povos são parte da extraordinária história de nossa espécie. Seu desaparecimento seria uma grande tragédia para o Brasil e uma imensa perda para a humanidade. Não há tempo a perder.

Respeitosamente,

Sebastião Salgado
Lélia Wanick Salgado”