jardins de chuva
Foto: Divulgação
- Publicidade -

A Avenida Fagundes Filho, no distrito da Saúde, vai ganhar seis jardins de chuva. Muito além da questão estética, os jardins de chuva atuam como pontos de microdrenagem e ajudam a resgatar as espécies nativas da Mata Atlântica no bairros. O local escolhido está localizado na microbacia hidrográfica do Córrego Ipiranga, paralelo aos córregos Barroca e Água Vermelha, entre os números 512 e 705 da avenida. As obras começaram no final de novembro e devem ser finalizadas em 30 dias.

“Os jardins serão calculados para não permitir o acúmulo de água de chuva por muito tempo (72 horas), para evitar a reprodução de mosquitos”, explica a arquiteta Débora Grecco, supervisora de Planejamento Urbano da Subprefeitura Vila Mariana. 

Jardim de chuva em construção na Av. Fagundes Filho. Foto: Divulgação

“Nesta semana iniciamos a construção de 21 jardins de chuva na Vila Nova Conceição, em Moema, e nosso objetivo é expandir o projeto para outros locais da região. Os jardins de chuva são uma opção muito interessante de microdrenagem”, afirma o subprefeito Diogo Soares.

- Publicidade -
Projeto de jardim de chuva. Imagem: Divulgação

O ponto mais alto da avenida está na altura da Rua Berto Conde (790 metros do nível do mar) e o mais baixo, na altura da Rua Galeazzo Alessi (770 metros do nível do mar). A declividade é suave, com caimento de cerca de 4,1%. A topografia e caimento favorece o escoamento superficial contínuo, de velocidade moderada em uma área impermeável, ou seja, onde não há infiltração da água da chuva, que vai direto para as galerias pluviais e desemboca no Rio Tamanduateí. 

Local onde serão construídos os jardins de chuva. Imagem: Divulgação

A água da chuva que corre sobre a Avenida Fagundes Filho vai para o Córrego Ipiranga, segue para o Rio Tamanduateí e depois para o Rio Tietê, que corre sentido noroeste, desembocando no Rio Paraná, na divisa dos estados de São Paulo e Mato Grosso do Sul. A partir daí, a água segue em direção sudoeste passando por Paraguai e Argentina, e muda de direção para sudeste antes de desembocar no Oceano Atlântico, na divisa com o Uruguai, percorrendo uma distância aproximada de 3.040 km da Av. Fagundes Filho até o Oceano Atlântico. 

Jardim de chuva em construção na Av. Fagundes Filho.
Foto: Divulgação

Benefícios do jardim de chuva

  • Diminui volume de enchente (reduz até 43%)
  • Diminui pico de enchente (reduz até 70%)  
  • Redução da erosão  
  • Reduz demanda de água potável para irrigação  
  • Baixo custo e execução simples  
  • Redução da temperatura do ar  
  • Tratamento da poluição difusa  
  • Recarga de aquíferos subterrâneos  
  • Melhoria da qualidade da água pluvial  
  • Melhora a qualidade do ar: plantas absorvem gás carbônico, produzem oxigênio e controlam umidade  
  • Reduz temperatura da água do escoamento superficial  
  • Estética  
  • Estimula convívio social  
  • Potencializa vida vegetal e animal
- Publicidade -