Buscar soluções tecnológicas e criativas para o cotidiano das pessoas. Foi esse o tom que predominou durante o primeiro dia do Smart City Expo Curitiba 2019, segunda edição brasileira do maior evento de cidades inteligentes do mundo, que aconteceu na semana passada. Uma dessas alternativas foi anunciada pelo governador Ratinho Júnior durante o evento: o Paraná será o primeiro estado brasileiro a conceder incentivo fiscal para estimular a produção e o uso de carros elétricos.

Um projeto de lei propõe zerar a alíquota de IPVA de veículos elétricos, que hoje é de 3,5% foi assinado pelo governador no evento, juntamente com o chefe da Casa Civil do Estado, Guto Silva, o prefeito de Curitiba, Rafael Greca, e Roberto Marcelino, diretor do iCities. Foi apresentada ainda uma proposta de convênio ao Conselho Nacional de Política Fazendária (Confaz) para que o Estado possa isentar o ICMS para a aquisição desses veículos. A medida é um incentivo ao uso de energia limpa para o transporte.  “A ideia é diminuir cada vez mais o preço dos veículos elétricos e torná-los mais acessíveis à população”, afirmou Ratinho Junior no evento.

A escolha do governador em anunciar a medida no Smart City 2019 casa com as questões sobre mobilidade, biodiversidade e bem-estar social que nortearam as palestras e os debates realizados.

“É impossível pensar a tecnologia sem ter o ser humano como foco. Se a tecnologia não transforma a vida das pessoas, ela não terá servido de nada. É preciso identificar as necessidades da comunidade de uma cidade e usar a tecnologia em prol dessas demandas”, afirma o pesquisador e palestrante, Caio Esteves.

Segundo o também pesquisador em smart cities, Yuri Lima, é fundamental transformar os espaços urbanos a partir do engajamento da população. “Esse ecossistema de inovação tem que estar atento ao bem-estar das pessoas e manter nos cidadãos essa sensação de pertencimento”, salienta.

Durante a palestra de abertura do evento, este tema foi ressaltado pela pesquisadora Ana Carla Fonseca, autora do livro Cidades Criativas. “O desafio é colocar as cidades como plataformas para a inovação a favor das pessoas. Olhar no dia a dia o que o cidadão se apropria dos estímulos contínuos. É preciso pensar a cidade de maneira transversal”, apontou Ana Carla.

O segundo debate do dia, realizado na plenária principal, abordou o trabalho das autoridades locais e dos cidadãos para transformar as cidades onde vivem. Cristina Alessi, CEO da Agência Curitiba de Desenvolvimento, destacou o trabalho do Vale do Pinhão e da Prefeitura. “Curitiba está no ranking das 21 cidades mais inteligentes do mundo, então nós temos um papel fundamental na transformação da sociedade, um papel de ação articulada com a governança. O Vale do Pinhão é um conector de várias áreas e ideias. Por isso, não podemos olhar só para nossa realidade, porque assim não vemos a transformação que ocorre em outros continentes”, disse.

Comunidades inteligentes

Um dos pontos altos do debate foi a apresentação de John G. Jung, cofundador do Intelligent Community Forum Canadá (ICF) e criador do conceito de Comunidades Inteligentes. Jung destacou que Curitiba é exemplo de cidade que consegue unir parcerias público-privadas com uma atuação forte dos cidadãos. “Cidades inteligentes precisam ter eficiência, infraestrutura, banda larga e dados. Mas e as pessoas? Como elas estão utilizando essas coisas? Devemos lembrar das mães solteiras, dos idosos, de toda as comunidades. Essas pessoas têm ideias, nenhuma ideia é menor. Precisamos fazer com que todos participem para que as pessoas estejam no centro da discussão. Isso é ser uma cidade inteligente”, declarou.

O Smart City 2019 compreende o congresso e a exposição, e tem a expectativa de receber mais de 6 mil pessoas, representantes de cidades de todo o país e de 25 cidades do exterior. O evento é chancelado pela FIRA Barcelona, organizador do Smart City Expo World Congress, realizado anualmente em Barcelona. O iCities, empresa curitibana especializada em soluções para smart cities, é a responsável pela organização do evento no Brasil, em parceria com a Prefeitura Municipal de Curitiba e Vale do Pinhão.

Políticas públicas para cidades

Mediado pela jornalista Andrea Sorgenfrei, editora executiva da Gazeta do Povo, o debate “Liderança e Políticas Públicas para Cidades” trouxe prefeitos e representantes de diferentes organizações para falar sobre os desafios de implementar os ideais de uma cidade inteligente.

Guto Silva, chefe da Casa Civil do Paraná, ressaltou que Curitiba é exemplo em inovação e ideias e que o grande desafio é integrar as plataformas de tecnologia para toda a população “Nosso desafio é simplificar com qualidade. O Paraná e inovador, mas como podemos melhorar ainda mais? Organizando as informações com inteligência, gastando menos e identificando estratégias para melhorar o dia a dia da população”, disse.

Jonas Donizette, presidente da Frente Nacional de Prefeitos (FNP) e prefeito da cidade de Campinas (SP), falou sobre o conceito de governança inteligente e como o governo municipal pode fazer uma gestão inovadora. “Nós damos incentivo fiscal, capacitação, apoio a empresas de base, tentamos inovar organizacionalmente, implantamos o governo digital e fazemos parcerias com a academia e a iniciativa privada. Por outro lado, as empresas geram o empreendedorismo e as universidades, o ensino formal, a extensão e ensinam o empreendedorismo”, destacou.

Michel Oliveira, Secretário de Desenvolvimento Econômico do Juazeiro do Norte (CE), contou na palestra que a cidade acaba de aprovar um plano diretor de tecnologia para que, em até 15 meses, Juazeiro do Norte seja em uma cidade inteligente. “Nós estamos dialogando com vários municípios brasileiros e cidades do mundo, como China, Portugal e Espanha, para adotar o que há de melhor nesses lugares e aplicar à realidade do Nordeste”, contou.