Fortaleza vai implantar microparques e ciclovias arborizadas

Ações integram programa Fortaleza Mais Verde que levará mais natureza para a capital.



programa Fortaleza Mais Verde
Imagens: Divulgação Projeto

O programa Fortaleza Mais Verde acaba de ser lançado pela prefeitura. Com execução prevista para iniciar ainda no mês de agosto, a iniciativa terá como dois focos principais: a implantação de corredores cicloviários verdes e de microparques urbanos.

“O intuito da proposta é preservar, garantir e ampliar progressivamente a cobertura verde da Cidade de Fortaleza, tornando essas áreas utilizáveis para serem usufruídas pela população. Temos várias ações de paisagismo e urbanização em andamento. Deveremos receber sugestões a respeito deste novo projeto-piloto. Queremos deixá-lo implantado e irreversível”, explicou o prefeito Roberto Cláudio.

Ciclo Mais Verde

Serão arborizadas as principais ciclovias e ciclofaixas de Fortaleza. “O objetivo é proporcionar maior conforto térmico aos ciclistas, ampliar a cobertura vegetal das ruas e criar uma identidade temática para os corredores”, explica Luiz Alberto Sabóia da Secretaria Municipal da Conservação e Serviços Públicos (SCSP).

De acordo com o avanço do projeto-piloto, a implantação gradativa irá contemplar uma ciclofaixa por mês. Até o fim de 2020, as avenidas Domingos Olímpio, Presidente Castelo Branco, Santos Dumont e Rogaciano Leite, além da Rua Urucutuba, na Granja Lisboa, deverão passar por intervenções infraestruturais que totalizarão 19 quilômetros de vias arborizadas.

Por meio do plantio de três mil árvores, os corredores contarão com a distribuição de diversas espécies nativas. “Serão plantados ipês, oitis, mungubas, angicos, sibipirunas, chichás, entre outros. No entanto, uma espécie predominante será usada para nomear os corredores verdes”, explica Sabóia.

Microparques urbanos

O segundo eixo do Programa vai transformar áreas verdes públicas em pequenos parques urbanos. A iniciativa proporcionará a expansão das áreas naturais, a criação de novos espaços e o estímulo à consciência ambiental.

Diversos componentes devem ser instalados conforme a disponibilidade logística e espacial de cada parque, entre eles, iluminação específica, gradis, tótens, acessos adequados, paraciclos, mobiliários urbanos, áreas contemplativas, hortas, espaços desportivos e equipamentos infantis.

“Os elementos são referências e suas instalações dependerão do espaço disponível. 100, 200 metros quadrados já se tornam um respiro verde na Cidade. Esses espaços serão utilizados pela vizinhança e pela comunidade, que cuidarão junto com a UrbFor (Autarquia de Urbanismo e Paisagismo de Fortaleza), que é responsável por gerenciar e fiscalizar. A partir disso, poderão ser estabelecidas ligações entre várias iniciativas de conscientização ambiental, incluindo a Rede de Educação e de Saúde Pública”, destaca Sabóia.

Nesse sentido, será implantado um conselho comunitário para estreitar o elo entre a comunidade e a gestão. “Criaremos um link com programas educacionais, aulas de campo, saúde e economia local. Um conjunto de pequenos negócios surge quando as pessoas ocupam os espaços públicos”, ressaltou.

Conforme levantamento preliminar, diversas áreas do Município possuem potencial para receber o projeto. Os territórios serão selecionados a partir da implantação do primeiro microparque, previsto para a Avenida Francisco Sá. A intervenção deverá, neste primeiro momento, contemplar um território equivalente a 2 mil metros quadrados. As obras devem ser iniciadas em setembro e concluídas em novembro deste ano.

Iniciativas paralelas

A Secretaria de Urbanismo e Meio Ambiente (Seuma), em parceria com a UrbFor, vem desenvolvendo ações ambientais importantes, a exemplo da regulamentação e da urbanização de parques urbanos. “Várias áreas neste momento estão sendo protegidas, urbanizadas e melhoradas, incluindo, dentre tantas, a região do Passaré, a Lagoa da Viúva e o Parque Rachel de Queiroz. Vamos iniciar, ainda, a Lagoa do Papicu e da Messejana”, adiantou o prefeito.

Ainda de acordo com Sabóia, conforme levantamento da Seuma, a área verde por habitante em Fortaleza gira em torno de 18 m². “Isso acontece em função de uma série de projetos executados pela Prefeitura. “Uma criança, Uma Árvore”, e “Árvore na Calçada” são bons exemplos de estímulo à consciência ambiental. Do início da gestão para cá, 23 novos parques urbanos foram regulamentados, incluindo Riacho Pajeú, Maceió e Guararapes”, finalizou.

A apresentação do Programa Fortaleza Mais Verde está disponível online.



Digite seu email para receber nossas últimas notícias!