O prefeito de Curitiba Rafael Greca assinou, na última segunda-feira (11), o decreto que isenta o pagamento do Estacionamento Regulamentado (EstaR) para carros 100% elétricos nas vias públicas da capital. O objetivo é incentivar a eletromobilidade e o uso de veículos não poluentes na cidade.

O decreto vale para veículos elétricos particulares e também para carros de compartilhamento elétrico (sharing) – aluguel de curta duração e para curta distância desses veículos – na cidade.

Com o decreto, o dono de veículo elétrico poderá ficar sem pagar o EstaR por até duas horas, de acordo com a área já disponível para estacionamento rotativo na cidade. No caso do car sharing não haverá limite de horas para a isenção.

“Esse projeto é só o começo. Temos ainda poucos veículos elétricos em circulação, mas no futuro serão muitos, com o aumento da produção de montadoras, como Renault e outras fabricantes, e a implantação do car sharing”, disse Greca.

O prefeito estava acompanhado da primeira-dama, Margarita Sansone, e de secretários. “Queremos ser a primera cidade com energia limpa do país. No Palácio 29 de Março (sede da administração municipal) já economizamos R$ 45 mil e reduzimos em 12 toneladas a emissão de CO2 com a instalação de painéis solares. Os ônibus que circulam na cidade em breve terão tecnologia Euro 6, com índices mais baixos de emissões”, acrescentou o prefeito.

Funcionamento

Com o decreto, o dono de veículo elétrico poderá ficar sem pagar o EstaR por até duas horas, de acordo com a área já disponível para estacionamento rotativo na cidade. Após esse tempo terá que mudar de local.

Segundo dados do Detran-PR, a frota de veículos elétricos em Curitiba ainda é pequena – são 89 automóveis – mas deve crescer significativamente nos próximos anos

A prefeitura definirá áreas específicas para estacionamento de veículos elétricos alugados. A intenção é implantar as primeiras vagas na região central, próximos a postos de recarga.

Para usufruir da isenção – o decreto tem validade de dois anos – os donos de veículos e as empresas de car sharing deverão fazer um cadastro na Urbanização de Curitiba (Urbs). As informações necessárias para o cadastro serão divulgadas por meio de portaria.

“É um incentivo importante para os carros elétricos, o que deve contribuir para a diminuição do número de emissões de poluentes e, com o car sharing, reduzir o número de veículos particulares no trânsito da cidade, melhorando a fluidez do tráfego”, disse o presidente da Urbs, Ogeny Pedro Maia Neto.

Rede de car sharing

Em julho desse ano, o prefeito e a direção da montadora Renault se reuniram para discutir uma parceria para viabilizar a criação de uma rede de car sharing elétricos na cidade. A intenção da montadora de origem francesa é colocar em operação 500 carros no modelo até 2025.

Há também startups interessadas na fabricação e na operação do mercado de carros elétricos, segundo Cris Alessi, presidente da Agência Curitiba de Desenvolvimento.

“Curitiba vem somando esforços para se colocar no topo da transformação energética e no uso de novas tecnologias. Esse decreto, que foi estruturado com a participação de vários atores, é uma iniciativa que comprova esse compromisso”, afirmou Cris Alessi.

Aluguel

O modelo de car sharing estabelece o aluguel do carro elétrico e a contratação do serviço se dá por meio de um aplicativo no celular. O usuário utiliza o veículo apenas pelo tempo necessário e depois o devolve.

É possível, dentro da área de abrangência do serviço, pegar o veículo em um ponto e devolver em outra área da cidade, em um sistema similar ao dos aplicativos de patinetes e bicicletas. O pagamento é feito por minuto e inclui todos os serviços.

Estima-se que pelo menos 5 milhões de pessoas no mundo já utilizam esse sistema, segundo dados compilados pelo World Resources Institute (WRI). Além disso, a estimativa é que para cada carro elétrico compartilhado é possível evitar o lançamento de 15 toneladas de CO2, o que equivale à poluição gerada por nove carros a combustão por ano.

As informações são da Prefeitura de Curitiba.